“O mercado tornou-se agressivo”

Engenho está atento às potencialidades do ‘Boom’ do turismo.

Um dos responsáveis pela Fábrica do Ribeiro Sêco fala ainda da gestão de uma organização familiar, das dificuldades que a empresa enfrentou que quase levou ao fecho das instalações e das oportunidades que o turismo pode criar.

É difícil gerir uma empresa familiar?
O mercado tornou-se agressivo também à custa da introdução de produto de muita baixa qualidade e esse foi outro desafio que tivemos que enfrentar e não deitamos a toalha ao chão.
Tivemos fases críticas, entre 2004 e 2006, onde pensamos em encerrar as instalações.
Nessa altura existiu uma baixa na produção de cana de açúcar. Foi preciso arregaçar as mangas.
Tivemos a ajuda de outra industrial do setor e da Secretaria Regional para ressurgir a plantação de cana de açúcar.

Que produto é esse?
O melaço continua a entrar livremente a um custo baixíssimo. Temos propostas de fornecedores que nos querem vender o produto. Sabemos quanto é que custa.
Eu acredito que haja industriais da panificação que pensem duas vezes em detrimento da qualidade.
Este meio consegue socialmente mover muitas famílias e se isto vai abaixo novamente vai ser difícil voltar a ressurgir a plantação. Acredito que o próprio agricultor fique cansado.
Vivemos numa ilha com muitas contingências de terreno agrícola. É uma fonte de receita para muita gente.

Como é que se combate essa baixa qualidade de que fala?
A União Europeia é que dita as regras. Falta um pouco de autonomia em determinadas secretarias para se mexerem um pouco melhor.
Eu penso que esse produto, e outros que complicam a vida a outros setores de produção regional, devia ser taxado à entrada.
Quem os traz devia pensar se os devia trazer ou não.
Isto de forma a que nós industriais deste setor nos consigamos defender da melhor forma.

O preço é um dos fatores de competitividade. Como é que convence um cliente a pagar mais por um produto melhor?
A questão do preço do produto tem sido um trabalho de anos. Essa parte já saiu da rotina comercial.
As pessoas têm a consciência de que vale a pena pagar mais por um produto melhor.
Temos alguns episódios engraçados de pessoas que chegam cá com embalagens de outros produtos a dizer que ficaram a perder.
Essas pessoas diziam que o preço era mais barato. Ao fim ao cabo a pessoa é que fica a perder porque perde o produto e o dinheiro.
Estamos sempre a tentar aumentar clientes na Região. Tentamos chegar a todos.
O boom do turismo pode levar a que criemos um produto vocacionado para esse mercado.
É algo que vamos tentar analisar, colocar as cartas em cima da mesa, ver o custo desse produto, se vale a pena avançar ou não.
O turismo pode ser um nicho bom. É preciso ver os custos e benefícios que possamos ter com a produção desse produto.

Recomendadas

Madeira: Dívida da Administração Pública Regional cresce 2,6 milhões de euros no segundo trimestre

Os dados são da Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM), que indicam também que face ao trimestre anterior houve uma redução de 300,7 milhões de euros, ou seja um diminuição de 5,7%.

Presidente da Assembleia da Madeira alerta para necessidade de preservar património edificado

O presidente da Assembleia Regional disse esperar que “a voragem da construção não dê cabo” de obras notáveis e marcantes da arquitetura da Madeira e dos Açores. “Em vez de erguermos parques temáticos a recriar o que temos, era bem mais importante tentar recuperar e conservar o que resta da nossa história”, acrescentou José Manuel Rodrigues.

Câmara do Funchal anuncia lançamento de plataforma para acompanhamento de licenciamentos urbanísticos

O presidente da autarquia quer também “desburocratizar o sistema” e aproximar os arquitetos da “realidade pública”.
Comentários