O mundo das perceções e dos enganos

O pior problema da Europa no imediato é a demografia que não sustenta os direitos adquiridos. A “velha” Europa precisa de olhar para as migrações e de aceitá-las dentro de determinadas condições.

Um inquérito feito recentemente à população do Reino Unido sobre o mundo de hoje versus o mundo de há 40 anos concluiu que o mundo está pior, de acordo com 70% dos entrevistados. A história foi contada pelo ex-ministro Paulo Portas num recente evento da Crédito y Caución/Iberinform. Ora, o que é espantoso é que no mesmo período saíram da pobreza cerca de 900 milhões de pessoas e 130 milhões de crianças passaram a ser acesso à escolaridade mínima, sendo que também melhorou o acesso à água potável.

Para os cidadãos responderem de forma tão negativa contribuiu a perceção de quem olha primeiro para o seu quintal e depois para a evolução do mundo. Este está a mudar. Não apenas o mundo se tornou global, mas ficou digitalizado. Porém, o “quintal” continua a ser de cada um, ou seja, as preocupações na Europa são os “coletes” amarelos”, a perda de credibilidade de um governo francês que deveria combater o populismo e está a fazê-lo com populismo, ou a viragem política à direita em Itália e Espanha, ou a substituição de uma líder incontestada na Alemanha por uma figura relativamente desconhecida, ou ainda o exemplo do país mais a ocidente na Europa que é governado por uma coligação de esquerda e extrema-esquerda e onde foi anunciado o fim da austeridade.

Esse país não tinha desde há muito um período tão conturbado de greves e com um único objetivo: os cidadãos querem beneficiar do “milagre” deste Governo que acabou com as preocupações da poupança e do controlo de contas. Para o eleitorado é tempo de receber, ou seja, querem menos impostos e mais salários e, claro, mais rendimento disponível. E têm razão.

A Europa está a passar por uma crise de identidade mascarada por um engano coletivo ao nível das perceções. A Europa pensa que tem futuro num mundo global quando – lembra muito bem Paulo Portas – tem a Ásia e o Pacífico em crescimento, obrigando os EUA a “recolher às tábuas” perante um inimigo imediato que é a China e não a Rússia, pois este último é uma potência militar mas não económica. Depois, a Europa pensa ser um refúgio sem perceber que é a fronteira com África, o continente do futuro mas que é considerado um risco e não uma oportunidade.

O pior problema da Europa no imediato é a demografia, que não sustenta os direitos adquiridos. A “velha” Europa precisa de olhar para as migrações e aceitá-las dentro de determinadas condições. O que fez foi “empurrar com a barriga”. A Europa paga à Turquia para suster a rota dos Balcãs onde estão três milhões de refugiados. Entretanto, a rota desviou-se para Itália, a Europa abanou com a cabeça e o populismo venceu no país. Mais recentemente, a rota dos migrantes virou-se para Marrocos e Espanha, e o Vox, da extrema-direita, foi o partido que mais cresceu na Andaluzia. Resta saber quem se segue logo ali ao lado…

Recomendadas

Combater a inflacção: um tempo de algum sacrifício e perseverança

É inegável que nos deparamos globalmente com um atípico surto inflaccionista, em muito determinado  por circunstâncias disruptivas que a guerra na Ucrânia fez explodir, nomeadamente na questão central do fornecimento e do preço dos bens energéticos e também dos bens alimentares de base.

Agressão ginecológica: um episódio, apenas

Não será tempo de expormos mais abertamente a violência ginecológica a que nós mulheres somos expostas? Sim. E nada desculpa este cenário, nem a luta entre médicos ginecologistas e Governo. A cada agressão deve corresponder uma queixa formal. Só assim podemos dizer com propriedade: “Sou dona do meu corpo. Exijo respeito, seja em que circunstâncias for”.

Winter is coming

Já repeti este título em crónicas anteriores, mas este inverno provavelmente vai ser o mais difícil que atravessei.
Comentários