O museu que era melhor se não existisse

O Museu da Extinção Marinha (MEM, obra do arquiteto Ricardo Bak Gordon para o projeto científico BiodivAMP, pretende mostrar a importância da preservação das áreas marinhas protegidas em Portugal e de toda a biodiversidade que nelas habita.

Apelidado de “O Museu que não devia existir”, uma vez que antecipa a extinção marinha como uma realidade provável, mas ainda evitável, o Museu da Extinção Marinha (MEM) só pode ser visitado de forma virtual. Apenas com um smartphone poderá ser possível ler o QR Code, que é a porta de entrada para o museu, que está nos totens instalados em diferentes pontos de Portugal. Ao entrar virtualmente, o visitante ficará a saber quais as espécies marinhas em perigo de extinção nessa zona e o que poderá fazer para o evitar, como são os casos do Peixe-Lua nas Berlengas, do Tubarão-azul nos Açores, do Cavalo-marinho na Arrábida, entre muitos outros.

O museu que não devia existir, obra do arquiteto Ricardo Bak Gordon para o projeto científico BiodivAMP, pretende mostrar a importância da preservação das áreas marinhas protegidas em Portugal e de toda a biodiversidade que nelas habita. Depois de ter sido possível visitar o MEM nas praias pertencentes a AMP – como a de Ofir, Zambujeira e da Figueirinha – e em seis áreas marinhas protegidas nacionais, que coincidem com algumas das zonas mais turísticas do país, tornando a presença humana num fator de pressão destrutiva, atualmente é possível visitar o “O Museu que não devia existir” no Aquário Vasco da Gama, em Lisboa, no Centro Comercial Alegro Alfragide e no Centro Comercial Alegro Setúbal.

As alterações climáticas, a perda de habitats, entre muitos outros fatores, estão a provocar uma diminuição da biodiversidade, sendo por isso necessário garantir uma gestão eficaz das áreas marinhas protegidas para proteger os habitats marinhos, reduzir a pressão sobre espécies com interesse comercial e fornecer refúgio para espécies mais sensíveis.

O MEM é uma ideia criativa da agência NOSSA e um projeto liderado pelo ISPA–Instituto Universitário e pelo MARE, e reúne especialistas da Naturalist, ANP|WWF, CCMAR, Câmara Municipal de Esposende, EcoAlga, Instituto Politécnico de Leiria e Museu de História Natural do Funchal.

Para entrar no museu, aceda Aqui

 

 

 

Recomendadas

Desvendar o enigma Aurélia de Souza

Uma mulher livre e uma artista que cultivou a liberdade. Das suas convicções e visão do mundo, sem deixar de ser fruto do seu mundo e tempo. Aurélia de Souza de seu nome, é o cerne da exposição “Vida e Segredo” no Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto.

“Modo goblin”. A recém-eleita ‘palavra’ de 2022 da Oxford espelha o peso da realidade

O termo refere-se a “um tipo de comportamento que é assumidamente autoindulgente, preguiçoso ou desleixado, tipicamente de uma forma que rejeita normas ou expectativas sociais”. “Dado o ano que estamos a viver, o ‘modo goblin’ ressoa em todos nós que estamos um pouco sobrecarregados neste momento”, disse Grathwohl, citado pelo “The Guardian”.

PremiumNancy Pelosi: o render da guarda da guardiã dos velhos democratas

Devidamente independente para uns, demasidado independente para outros, a “louca Nancy Pelosi”, como Trump lhe chamava, é apenas dois anos mais velha que Joe Biden
Comentários