O novo Aviso n.º 1/2022 do Banco de Portugal

No passado dia 6 de junho de 2022, foi publicado pelo Banco de Portugal o Aviso n.º 1/2022, destinado a condensar num único diploma as principais regras substantivas aplicáveis em matéria de prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo (PBC/FT) e a compatibilizar o regime com o disposto no Aviso n.º 3/2020, procurando replicar, para a função de controlo do cumprimento do quadro normativo, na medida do possível, a abordagem seguida no regime aplicável à função de compliance.

No passado dia 6 de junho de 2022, foi publicado pelo Banco de Portugal o Aviso n.º 1/2022, destinado a condensar num único diploma as principais regras substantivas aplicáveis em matéria de prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo (PBC/FT) e a compatibilizar o regime com o disposto no Aviso n.º 3/2020, procurando replicar, para a função de controlo do cumprimento do quadro normativo, na medida do possível, a abordagem seguida no regime aplicável à função de compliance.

Para tanto, o Aviso n.º 1/2022, estabelece, num só diploma (i) as condições de exercício, os procedimentos, os instrumentos, os mecanismos as formalidades de aplicação, as obrigações de prestação de informação e os demais aspetos necessários a assegurar o cumprimento dos deveres preventivos do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo; (ii) os meios e os mecanismos necessários ao cumprimento, pelas entidades financeiras sujeitas à supervisão do Banco de Portugal, dos deveres previstos na Lei n.º 97/2017; e (iii) as medidas que os prestadores de serviços de pagamento adotam para detetar as transferências de fundos em que as informações sobre o ordenante ou o beneficiário são omissas ou incompletas e os procedimentos que adotam para gerir as transferências de fundos que não sejam acompanhadas das informações requeridas pelo Regulamento (UE) 2015/847 do Parlamento Europeu e do Conselho.

Analisando o diploma, o Aviso n.º 1/2022 não difere, materialmente – salvo em considerações pontuais – das soluções hoje previstas no Aviso n.º 2/2018 e na Instrução n.º 2/2021. De entre as novidades conferidas pelo novo Aviso, destacamos as exigências no âmbito do dever de controlo, nomeadamente, no papel do membro do órgão de administração com responsabilidades executivas. Na prática, o Banco de Portugal estabelece a obrigação de designar um membro executivo do órgão de administração com o propósito de cumprir as exigências previstas no n.º 4 do artigo 13.º da Lei n.º 83/2017.

Quanto ao escopo funcional das responsabilidades do membro designado e a articulação das competências com as responsabilidades atribuídas ao órgão de administração, compete-lhe, inter alia, (i) assegurar a tutela da função de controlo do cumprimento normativo e do respetivo responsável, reportando periodicamente ao órgão de administração as atividades por estes realizadas, e (ii) propor ao órgão de administração os procedimentos corretivos das deficiências detetadas em matéria de PBC/FT, assegurando a implementação célere e a suficiência das medidas para o efeito aprovada, informando o órgão de administração do respetivo estado de execução.

Cumpre salientar que a ponderação de proporcionalidade subjaz a este regime, estando, contudo, lançado o mote para a criação de um verdadeiro pelouro de PBC/FT no seio das entidades financeiras.

Através do novo Aviso, o Banco de Portugal, em linha com uma abordagem baseada no risco, confere agora uma maior simplicidade, clareza e flexibilidade às previsões normativas, sem, contudo, perturbar a substância e a estabilidade das soluções regulamentares, atenta a expectável aprovação, no médio prazo, de um novo quadro legal europeu sobre a matéria.

O novo Aviso revoga e substitui o Aviso n.º 2/2018 e a Instrução n.º 2/2021, entrando em vigor no próximo dia 5 de agosto de 2022.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Desperdício no SNS

No dia 4 de agosto, foi publicado em Diário da República o Decreto-Lei 52/2022 referente ao novo Estatuto do SNS, que cria uma Direção Executiva focada na gestão operacional, em boa parte assumida até então pelo Ministério da Saúde.

Como transformar organizações com sucesso

As organizações têm de se transformar, para se adaptar aos consumidores mais informados e mais exigentes, e ao mercado cada vez mais dinâmico. O ser humano tem de estar no centro dessa transformação, tanto como seu propósito, como como ingrediente crítico para o seu sucesso. Nos tempos que correm, ficar quieto é equivalente a deixar-se ultrapassar, mas também não é qualquer mudança que impele a organização na direção certa. Há algumas práticas que aumentam a probabilidade de sucesso de uma iniciativa de transformação, baseiam-se na liderança, na inspiração, na atenção, na responsabilização, na implementação e na colaboração.

Se descarbonização é a resposta, qual é a pergunta?

As alterações climáticas já não passam despercebidas, nem aos mais céticos! Assistimos a um acentuar das condições climatéricas extremas, que propiciam nesta época de Verão a ocorrência de incêndios, corroborando as publicações de referência, que demonstram a relação deste fenómeno com a tendência de aumento dos níveis de risco de incêndio e de “mega incêndios”, assim como épocas de incêndio mais longas.
Comentários