O Orçamento e o voto

Portugal tem sido claro: quer regalias sociais, segurança, mais Estado, sempre mais Estado. É a consequência do voto no PS, PCP, BE e, mesmo, no PSD e CDS.

1. As maiores críticas que vejo feitas ao Orçamento (OE) são que ele se preocupa, sobretudo, com a gestão do aparelho do Estado. E são verdadeiras. O SNS, a segurança social, os funcionários públicos, as regalias generalizadas, entre outras rubricas inamovíveis, colocam as Finanças de tal forma sob pressão que, todos os anos, as alterações são mínimas. A discussão faz-se, assim, entre o IVA das touradas, tormentoso tema para marialvas de todas as idades, e alguns ajustamentos nas tabelas do IRS, com os quais se promovem mudanças irrelevantes que, obviamente, nunca mexem para baixo a rubrica final.

Esmagado entre as necessidades do Estado e as exigências da nossa participação europeia, sem controlo sobre a moeda, o Governo de turno pode, quanto muito, escolher barricar-se nos ‘cortes’, coisa da direita, ou fazer ‘cativações’, grande momento dos quatro anos da ‘geringonça’ de esquerda. Para além das subtilezas dialéticas, nada de substancialmente novo se passa. Até o BE deixou cair a famosa proposta de “orçamento de base zero” – lembram-se? – de Francisco Louçã. Toda a gente sabe que, mais fotocópias menos almoços e carros de serviço, as contas esbarram sempre nas mesmas montanhas de despesa.

A discussão torna-se tão recorrente quanto estéril porque, de facto, a feitura do OE não pode ultrapassar as escolhas das eleições. E, nessas, Portugal tem sido claro: quer regalias, segurança, mais Estado, sempre mais Estado. É a consequência do voto no PS, PCP, BE e, mesmo, no PSD e CDS. Naquilo que verdadeiramente interessa, não há diferenças importantes entre os partidos. Falta coragem e sobra o medo de enfrentar o Portugal instalado.

Repare-se como até André Ventura suspendeu o programa do Chega quando o foram avisar que aquele texto queria a extinção do SNS. Podia lá ser! Obviamente, um dia destes haverá redação mais consentânea. Estou convencido de que o comendador Ferro Rodrigues, ínclita figura do regime, se lhe derem liberdade para o dizer, achará tudo isto uma vergonha.

Acreditem: o OE não pode substituir-se ao voto. Aliás, é um poucochinho estúpido esperar que quem é eleito troque as suas ideias, que ganharam, pelas de quem perdeu – para depois certamente perder o país. É por isso que o Governo faz o mesmo de sempre e a discussão, também como sempre, cheira a mofo.

2. Uma corporação é sempre uma corporação. Desta vez, calhou a alguns jornalistas demonstrá-lo.

Perante um problema concreto, passado na RTP, uma célula da classe entendeu por bem não analisar os factos. Preferiu declarar sentimentos. Alinhavou um abaixo-assinado. Posicionou-se como guarda pretoriana de uma das partes. Não teve, sequer, o bom senso de dispensar a ação do evidente travo político e partidário.

No meio disto tudo, salvou-se a higiénica distância que os jovens jornalistas, os que escrevem notícias, mantiveram em relação àquele ajuntamento de nomes mais ou menos conhecidos. No caso concreto, quero salientar, a título individual, duas coisas evidentes: a jornalista Sandra Felgueiras e a sua equipa gostam de notícias; no final, Maria Flor Pedroso tomou a única decisão aceitável, retirando as devidas consequências dos erros cometidos. Não podia ser de outra maneira para descanso da RTP.

Recomendadas

Uma banca portuguesa cada vez mais ‘ibérica’

Uma fusão entre BPI e Novobanco poderia fazer sentido à luz daquela que tem sido a estratégia do CaixaBank para crescer no mercado ibérico.

As pessoas não podem ficar para trás na nova era

Milhões de euros de investimentos e centenas de megawatts. Ao escrever e ler sobre o mundo da energia, é normal que os grandes números sejam abordados, tal a dimensão dos projetos.

A ilusão, do faz de conta que faz

As eleições autárquicas realizaram-se exatamente há um ano atras, e no primeiro ano de muitos autarcas eleitos e após as lutas eleitorais, veio um ano de calmia e aparente tranquilidade.
Comentários