“O Orçamento Regional está ao serviço dos grandes grupos económicos”, afirma PCP

Entre operações de dívida pública e parcerias público-privadas os comunistas calculam que exista mais 30% de verbas no Orçamento.

Para o PCP Madeira a proposta de Orçamento Regional para 2019 está ao serviço dos grandes grupos económicos e obcecada com a dívida. Os comunistas afirmam que entre operações de dívida pública e parcerias público-privadas existe mais 30% de verbas.

“Este é um Orçamento que continua com a política de exploração e empobrecimento, prossegue amarrado à política de direita e prefere entregar parte do Orçamento da Região à Banca e aos grupos económicos em vez de garantir mais verbas para apoios sociais”, defendeu Ricardo Lume, deputado do PCP.

Os comunistas dizem que o Orçamento prevê mais 451 milhões de euros para operações de dívida pública e 135 milhões para parcerias público-privadas, contrariando a propaganda de Miguel Albuquerque, presidente do Governo Regional, que diz que “este é um orçamento social”, alerta Ricardo Lume.

O deputado comunista culpa o PSD por impedir os habitantes da Região Autónoma de terem direitos que já são reconhecidos no Continente.

Entre eles os manuais escolares gratuitos, a entrada nos museus aos domingos e feriados gratuita, a aprovação de um plano de acção contra a precariedade laboral, e o complemento Regional de Reforma.

“As opções do PSD são claras, utilizar a nossa Autonomia, ao serviço dos grupos económicos e das instituições financeiras”, diz o PCP.

Recomendadas

Madeira: Sociedade Metropolitana de Desenvolvimento disponibiliza máquina ATM Express na Praça CR7

As caixas ATM são especialmente direcionadas para os turistas, sector que têm vindo a atingir valores históricos na Região.

Madeira supera 1,1 milhões de dormidas no alojamento turístico em agosto

As estimativas para as dormidas de agosto de 2022 superam em 67 mil o valor do mês anterior, passando assim a constituir o registo mensal mais alto de sempre observado no alojamento turístico da Região.

Madeira investe 923 mil euros na reabilitação da ER 103 entre o Terreiro da Luta e o Poiso

Pedro Fino explicou que esta obra não foi financiada com fundos europeus, mas que a Região aguarda a abertura do novo quadro comunitário, contando que deverá haver enquadramento para o financiamento da reabilitação desta estrada.
Comentários