O pivô do mercado

Cansado de esperar pelo “pivô da Fed”, o mercado resolveu antecipar essa mudança na política monetária.

É consensual que políticas monetárias expansionistas com liquidez abundante e taxas de juro baixas são favoráveis aos mercados financeiros e ajudam a explicar, de forma decisiva, o espetacular bull market que se iniciou com a crise financeira de 2008. Na mesma lógica, a luta contra a inflação que tem levado os bancos centrais a subirem as taxas de juro e, em alguns casos, a reduzirem o seu balanço, provocou uma queda considerável nas ações e obrigações desde o início deste ano.

É por este motivo que há muitos meses os mercados aguardam pelo “pivô da Fed”, ou seja, o momento em que a Reserva Federal norte-americana comunicará ao mercado que fará uma inflexão na política monetária, passando de mais restritiva a mais expansionista, o que promoveria novas valorizações no mercado.

O facto de a inflação nos Estados Unidos ter ficado abaixo do esperado em outubro gerou grande animação nos mercados financeiros, com as bolsas a recuperarem de forma muito significativa, interpretando os dados como um sinal de que o topo na inflação está feito e que as subidas de taxa de juro estarão perto do seu final. Cansado de esperar pelo “pivô da Fed”, o mercado resolveu antecipar essa mudança na política monetária.

O problema é que os responsáveis dos bancos centrais não estão ainda a caucionar esta interpretação e têm reforçado que a inflação ainda não está controlada e que será preciso subir mais os juros.

Em todo o caso, é razoável esperar que as taxas de juro deixem de subir no próximo semestre. Espera-se que o final do ciclo de subidas de taxas pela Fed ocorra entre os 4,75% e os 5,25% e, no caso do Banco Central Europeu, a taxa de referência máxima será provavelmente entre 2,75% e 3,25%. Em termos de Euribor a 12 meses, significará um máximo abaixo de 3,5% (provavelmente abaixo de 3,25%). Se tivermos em conta que este ano essa referência já subiu de -0,5% para os atuais 2,85%, a maior parte da alta dos juros já aconteceu.

Recomendadas

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

Musk tinha um plano para o Twitter? Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV numa edição que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees.

PSI encerra no ‘vermelho’ em contra ciclo com a Europa

Lá fora, as principais praças europeias negociaram maioritariamente em terreno positivo. O FTSE 100 valorizou 0,32%, o CAC 40 ganhou 0,08%, e o DAX apreciou 0,01%. O espanhol IBEX 35 manteve-se estável.
Comentários