“O Poder dos Museus” vai estar em debate no Dia Internacional dos Museus

O Dia Internacional dos Museus celebra-se a 18 de maio e nunca é demais lembrar que o poder transformador destas entidades continua a ser fundamental para as sociedades que se querem esclarecidas, dinâmicas e em transformação.

Nelson Mandela dizia que “a educação é a mais poderosa arma pela qual se pode mudar o mundo”. Sem dúvida. Mas podemos juntar à equação o poder que os museus podem ter enquanto ferramenta para a transformação das mundividências e criação de novas relações do indivíduo com a sociedade e o mundo. Ou não fossem eles espaços que se querem abertos ao mundo. Espaços seguros para debater e divergir, pensar e desenhar mudanças transformadoras.

Mas não só. Local de partilha, também. De conhecimento e de civismo. De alerta para a importância de valores como os direitos humanos. A arte é isso e muito mais. A arte questiona, desassossega, desafia preconceitos, estereótipos, reage face à discriminação e injustiça social.

“O Poder dos Museus” foi, assim, o tema proposto pelo ICOM – Conselho Internacional de Museus para o Dia Internacional dos Museus, assinalado anualmente no dia 18 de maio. A efeméride foi criado em 1977 pelo ICOM e visa “promover, junto da sociedade, uma reflexão sobre o papel dos museus no seu desenvolvimento”.

Em 2022, o objetivo do tema assenta em três principais pilares, sempre no sentido de “explorar o potencial dos museus para produzir mudanças positivas nas suas comunidades”, segundo sublinha o memorando da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). A saber:

– “O poder de alcançar a sustentabilidade: os museus são parceiros estratégicos na implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, e contribuem de forma relevante para o fomento da economia social e para a difusão de informações científicas sobre os desafios ambientais.

– O poder de inovar nas áreas da digitalização e acessibilidade: através da inovação digital, nomeadamente da aplicação das novas tecnologias à vida quotidiana, os museus tornam-se mais acessíveis e também mais atrativos para um público diversificado.

– O poder de reforçar a comunidade através da educação: ao defenderem os valores democráticos e proporcionarem oportunidades de aprendizagem permanente a todos, os museus reforçam as comunidades e contribuem para a formação de uma sociedade civil informada e comprometida”.

O poder dos museus residirá, muitas vezes, no papel ativo que podem assumir e numa posição crítica e aberta a formas de trabalhar, promovendo a inclusão e diversidade, trabalhando com as suas e promovendo intercâmbios/diálogos com o exterior, abordando temas sociais da contemporaneidade, experimentando, olhando para dentro e para fora, e, não menos importante, assumindo-se como agentes de mudança social.

Consulte aqui o programa e aproveite as muitas iniciativas que celebram o poder e o Dia Internacional dos Museus.

Recomendadas

Deixe-se encantar pela Terceira, a ilha lilás

O que torna a Terceira tão especial é o magnífico contraste entre a beleza natural desta ilha vulcânica e a arquitetura do centro histórico de Angra do Heroísmo. Se está a pensar visitá-la, saiba que o Terceira Mar Hotel tem, no dia 29, uma campanha promocional, por ocasião do seu 19º aniversário.

Governo põe fim ao protocolo com coleção Berardo e anuncia novo museu no CCB para 2023

A informação foi dada pelo ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva. O protocolo está em vigor desde 2006 entre o Estado, a fundação do Centro Cultural de Belém, Joe Berardo e a associação Coleção Berardo.

Pipoca Mais Doce, Wuant e Bumba na Fofinha são os ‘influencers’ mais conhecidos em Portugal

As conclusões são de um estudo de figuras públicas e digital influencers em Portugal. Ao comparar com a edição do ano passado deste estudo, o youtuber Wuant sobe uma posição e ultrapassa Bumba na Fofinha no top três de influencers digitais com maior notoriedade espontânea. 
Comentários