PremiumO poder transformador das histórias

Os prémios literários existem para consagrar um autor ou para colocar aqueles que pretendem navegar o mar da escrita no radar dos leitores.

Os prémios literários existem para consagrar um autor ou para colocar aqueles que pretendem navegar o mar da escrita no radar dos leitores.

Ricardo Lemos, que nunca pensou ser escritor quando fosse grande, admite não ter sido “uma decisão consciente”. Mas não nega que sempre escreveu, de uma forma ou de outra. “Escrevo, principalmente, porque gosto de ler. A minha primeira paixão é a leitura”.

Na semana em que foi anunciado o júri do Prémio Nacional de Literatura Lions de Portugal 2022, achámos que seria um bom pretexto ter algumas pistas sobre Ricardo Lemos, autor do romance vencedor de 2021, “A Desaparecida”, que agora integra o quinteto que vai escolher a melhor novela ou o melhor romance inédito de autores portugueses, entre estreantes e autores com obra publicada.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumA oposição do outro lado da fronteira

Sviatlana Tsikhanouskaya, principal opositora ao presidente da Bielorrússia, que governa o país há quase três décadas, defende que “sem uma Ucrânia livre, não haverá liberdade para a Bielorrússia, e vice-versa”. Quer ser voz ativa na mudança e continuar a mobilizar os seus compatriotas e a comunidade internacional.

PremiumSapatos exclusivos inspirados em Miguel Guedes de Sousa

A Santoni e a Fashion Clinic acabam de lançar o modelo “Manota”, uma edição limitada concretizada em exclusivo pela marca de luxo de calçado italiano para a também luxuosa Fashion Clinic.

PremiumSérgio Conceição: um dragão a seus pés

É, provavelmente, o treinador mais imprescindível do FC Porto em 40 anos de presidência de Jorge Nuno Pinto da Costa.
Comentários