O póquer é dos políticos, mas as fichas somos nós

May precisa de sobreviver, Bruxelas quer fazer do Reino Unido um exemplo e os deputados pensam nas próximas eleições na Escócia, na Irlanda do Norte ou em todo o país, no caso dos Trabalhistas.

Tudo começou com a posição ambígua do Reino Unido em relação ao projeto europeu. Mais do que um problema, era uma condição de base.

O referendo – uma ferramenta discutível da democracia – foi convocado por David Cameron para reforçar o seu poder ao pacificar a ala antieuropeísta dos Conservadores e pressionar a UE a melhorar os termos da relação entre a União e o Reino Unido. Um bluff, porque Cameron não queria sair, mas depois teve de ir a jogo. Não acreditando no bluff do referendo, as cedências pífias da UE na imigração e transferências financeiras contribuíram para a sua realização.

Nigel Farage e Boris Johnson, como muitos outros, fizeram campanha pelo Brexit para benefício próprio, acreditando que iriam perder a votação – outro bluff. Depois, o terreno de jogo mudou para as negociações do acordo de saída, com Theresa May a ser o vértice entre o Parlamento britânico e Bruxelas, com todos a esticar a corda.

May precisa de sobreviver, Bruxelas quer fazer do Reino Unido um exemplo e os deputados pensam nas próximas eleições na Escócia, na Irlanda do Norte ou em todo o país, no caso dos Trabalhistas.

Aparentemente, os jogos continuam. O problema é que as fichas somos nós.

Recomendadas

Cotação do barril Brent para entrega em novembro baixa para 87,96 dólares

A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em novembro terminou esta sexta-feira no mercado de futuros de Londres em baixa de 0,73%, para os 87,96 dólares.

Wall Street encerra sessão com principais índices a perder mais de 1,50%

No momento de fecho o Dow Jones recua 1,71%para 28.725,84 pontos, o S&P 500 cede 1,51% para 3.585,40 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 1,51% para 10.575,62 pontos. 

PremiumAções com pior mês desde junho e pode não ficar por aqui

Libra em forte desvalorização e juros da dívida do Reino Unido disparam após polémico “mini-orçamento” de Liz Truss.
Comentários