O preço da autonomia digital nos jovens

A amplitude que os jovens têm em chegar a todo o lado está a torná-los demasiado expostos e a superconfiança que percecionam ter faz com que não tomem as básicas medidas de proteção no contexto digital, tornando-os mais vulneráveis a burlas.

Os jovens estão superconfiantes nas suas capacidades quando navegam na internet, perdendo mais de 100 milhões de dólares, para hackers, só no ano de 2021. Esta é uma das conclusões de um estudo que teve como base informações recolhidas pelo Internet Crime Complaint Center do FBI e a Federal Trade Commission para burlas online.

Apesar de serem considerados como nativos (ou órfãos, pela forma como tiveram de aprender consigo mesmo a lidar com este novo contexto) digitais e serem a parte da população percecionada como a mais “tech-savvy” (mais conhecedora de tecnologia), a faixa etária com menos de 20 anos foi aquela que viu a percentagem de crescimento de ataques subir (uns estrondosos 1125,96%) quando comparado com 2017, o maior aumento de todas as faixas etárias no mesmo período.

Apesar de parte da justificação ainda se prender com a pandemia, que fez aumentar drasticamente as burlas online, a questão é que os jovens atualmente encontram uma desvantagem única. A amplitude que têm em chegar a todo o lado está a torná-los demasiado expostos e a superconfiança que percecionam ter faz com que não tomem as básicas medidas de proteção no contexto digital, tornando-os mais vulneráveis a burlas. Esta geração cresceu a ensinar os pais e os avós a utilizar as ferramentas digitais, criando uma falsa sensação de confiança no que toca a tudo o que se relaciona com o espaço digital.

Para quem cresceu a usar apps como o Facebook, Instagram ou o TikTok, é perfeitamente normal iniciar uma conversa com alguém que (des)conhece. E este é um dos principais fatores que dão vantagem a hackers: ganhar a confiança para depois os enganar ou fazer extorsão. Segundo alguns especialistas, a maioria destes jovens tem demasiada confiança na tecnologia que usam e estão mais aptos a responder a mensagens de estranhos.

Este estudo, apesar de ter sido realizado no Estados Unidos, pode ser entendido como representativo das crenças, atitudes e comportamentos online dos jovens do mundo ocidental. É urgente que o tema da cibersegurança entre nas unidades curriculares. É urgente que a escola, como promotora de competências para vida, tenha um papel fulcral na dinamização de mudança comportamental nesta área. Mas é essencial que a família tenha a consciência dos riscos a que se expõe sempre que um filho/a navega na internet.

Tal como uma família investe na segurança física dos seus filhos/as, educando-os/as a olhar para os dois lados antes de atravessar a rua e atravessar de preferência na passadeira, ou a não falar e dar informações a estranhos, é capital que a família tenha o mesmo cuidado no que toca à navegação online.

Moldar as crenças em cibersegurança é o primeiro passo para termos atitudes mais ajustadas à realidade em que vivemos, que têm o potencial de se transformarem em comportamentos mais (ciber)seguros.

O autor assina este artigo na qualidade de responsável pela relação entre a psicologia e a tecnologia na Ordem dos Psicólogos Portugueses.

Recomendadas

Alteração da proposta de OE para 2023 em sede de tributação de criptoativos (IRS): algumas notas

Em termos globais, tudo indica que passamos de uma proposta altamente abrangente para uma proposta altamente competitiva que parece apresentar as condições necessárias para manter Portugal na lista de países considerados ‘crypto-friendly’.

2023: O Novo Paradigma Laboral em Portugal como Oportunidade ou Desafio?

É importante ter a coragem de mudar a forma como vemos o paradigma laboral em Portugal, que historicamente passou por uma política baseada em competitividade por via dos baixos salários.

Sobre a tributação de lucros excessivos das empresas energéticas

Seria importante não ver a CST Energia como um incentivo para o fim da refinação de petróleo. As refinarias não produzem só combustíveis, são fonte de numerosos produtos utilizados por outras indústrias, e para os quais não existem soluções alternativas.
Comentários