O que dizem os jornais esta quarta-feira?

Conheça aqui os principais títulos do dia.

Hoje, 13 de dezembro, na capa do Público: “Descontos dos trabalhadores a recibo verde baixam em 2019”. A empresária angolana Isabel dos Santos também é noticiada no matutino com: “Transferiu 230 milhões de euros do BPI horas antes de bens serem congelados”.

O Diário de Notícias faz manchete com a notícia de que: “Estado financiou um quarto orçamento da Raríssimas”. Na mesma edição, destaque para: “Puigdemont diz que volta, mesmo arriscando prisão. Mas só se for eleito”.

O Jornal de Negócios destaca: “Reforma profunda nos recibos verdes”; “Eficiência energética vai valer desconto no IMI em Lisboa” e ainda “Crédito ao costumo em máximos de 11 anos”.

No Correio da Manhã: “Terceiro irmão exportado morre de overdose”; “Autoeuropa paga o dobro por trabalho ao sábado” e também “Ministério Público aponta culpados da tragédia de Pedrógão Grande”.

O Jornal de Notícias revela: “Doadores da Raríssimas cortam financiamento”. O diário escreve ainda sobre as autarquias: “Fundos europeus fazem aumentar desemprego”.

O jornal I dá enfoque a: “Autoeuropa a caminho do abismo”. Além disso, o escândalo da associação de doenças raras: “Paula Brito e Costa queria ainda mais poder na Raríssimas”.

Recomendadas

Região de Coimbra vai beneficiar de novos espaços de ‘cowork’

O projeto, financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), tem como objetivo “promover modos mais ágeis e flexíveis de desempenho do trabalho em funções públicas, designadamente através do teletrabalho, como potenciador da melhoria da conciliação da vida pessoal e profissional e reforço da atratividade”.

Expectativas de exportação na Alemanha aumentam em novembro, diz Ifo

Depois de uma queda no mês anterior, a indústria automóvel volta a ter expectativa de crescimento nas exportações.

Ucrânia: Angola admite impacto no aumento dos preços dos bens alimentares

Segundo o secretário de Estado do Planeamento angolano, Milton Reis, Angola apesar de ser um exportador líquido das “commodities” energéticas “não está imune aos efeitos deste conflito”.
Comentários