O que dizem os jornais esta quinta-feira?

Conheça aqui os principais títulos do dia.

Hoje, 21 de dezembro, na capa do Público: “Privados avisam que fim da concessão nos CTT vai aumentar despedimentos”. A multa da União Europeia também é noticiada no matutino com: “Bruxelas quer castigar Polónia por politizar a justiça”.

O Diário de Notícias faz manchete com a notícia de que: “Empresas proibidas de convidar médicos para viagens”. Na mesma edição, destaque para a Autoeuropa: “Trabalhadores ameaçam fazer greve de dois dias contra novos horários”.

O Jornal de Negócios destaca: “Venda de casas duplica em quatro anos”; “Investidores aprovam plano dos CTT, analistas querem mais” e também “Decisão europeia não tira Uber das estradas”.

No Correio da Manhã: “Pacto milionário cala segredo das doações”: “Raríssimas suspende Paula Brito e Costa” e ainda “António Costa recusa nacionalizar Correios”.

O Jornal de Notícias revela: “Recorde de medicamentos para desempenho sexual”. O diário escreve ainda sobre o Parlamento: “Oposição aperta e António Costa atira com descida da dívida”.

O jornal I dá enfoque à Autoeuropa: “Trabalhadores querem creche 24 horas por dia”. Além disso: “Miguel Albuquerque com lugar em risco no PSD Madeira”.

Recomendadas

JCDecaux ganha um contrato de 10 anos com a ViaQuatro no Brasil

A JCDecaux ganha um contrato de 10 anos com a ViaQuatro para a exploração de espaços publicitários na linha 4 do metro de São Paulo, tornando-se no maior grupo de meios no metro do Brasil.

Cavaco e a marcação cerrada ao Governo. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

BBC vai despedir 382 trabalhadores ao redor do globo

O objetivo é apostar nas novas audiências, que cada vez mais procuram os meios digitais, alega a BBC. A líder de uma união de defesa dos trabalhadores, Philippa Childs, disse que os despedimentos foram consequência de más decisões do governo britânico.
Comentários