O que dizem os jornais esta segunda-feira?

Conheça aqui os principais títulos do dia.

Hoje, 18 de dezembro, na capa do Público: “Quase 200 mi utentes já optaram pelo hospital que preferem”. O Governo também é noticiado no matutino com: “O momento da verdade para o ministro Vieira da Silva”.

O Diário de Notícias faz manchete com a notícia de que: “Em dois anos, 23 mil senhorios deixaram de declarar rendas ao Fisco”. Na mesma edição, destaque para o trabalho: “Empresas zombie estão a sugar competitividade à construção e serviços”.

O Jornal de Negócios destaca: “Tivoli vai para a Tailândia e Indonésia”; “Contabilistas com eleição mais disputada de sempre” e ainda “Como Portugal bateu a Itália nos juros”.

No Correio da Manhã: “Vidente de Fátima vítima de carjacking”; “Raríssimas: carro alugado a sobrinho de ex-governante” e também “Patrões exigem eliminação do PEC”.

O Jornal de Notícias revela: “Polícia faz revistas surpresa nas ruas entre Natal e Ano Novo”. O diário escreve ainda sobre fiscalização: “Segurança Social falha contratação de 46 inspetores”.

O jornal I dá enfoque a: “Obras regressam em força a Lisboa em 2018”. Além disso: “Grupo de combate aos fogos da GNR condecorado no pior ano de sempre”.

Recomendadas

OE2023. PSD faz aprovar dedução ao IRS com gastos em assinaturas de jornais e revistas

O PSD conseguiu hoje fazer aprovar uma alteração ao orçamento que permite às famílias abater ao IRS parte dos gastos com assinaturas periódicas de jornais e revistas, incluindo as digitais, sendo para isso necessário a respetiva fatura.

Team Passos contra Team Costa e um ex-Governador pelo meio. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Associated Press demite repórter responsável pela história de ‘mísseis russos’ na Polónia

A única exceção à regra contra a utilização de uma fonte única, de acordo com a declaração de valores e princípios de notícias da AP, é quando “o material vem de uma figura de autoridade que fornece informações tão detalhadas que não há dúvida da sua precisão” – uma situação que aparentemente não ocorreu, pois a peça foi totalmente retratada.
Comentários