O que dizem os jornais esta sexta-feira?

Conheça aqui os principais títulos do dia.

Hoje, 15 de dezembro, na capa do Público: “Infeções hospitalares baixam e 73% dos médicos já lavam as mãos”. A lavagem de dinheiro também é noticiada no matutino com: “Angola quer rever fortunas com cruzada anticorrupção”.

O Diário de Notícias faz manchete com a notícia de que: “SEF arquivou auditoria que detetou indícios de vistos ilegais e corrupção”. Na mesma edição, destaque para o trabalho: “Pensões vão subir entre 3,7 e 55 euros em janeiro”.

O Jornal de Negócios destaca: “Parlamento  obrigado a discutir fim das comissões”; “Portugal sobe à primeira liga da dívida pública” e ainda uma entrevista a Carlos Gaspar.

No Correio da Manhã: “Reformas com novo bónus em janeiro”; “Rui Rio ganha 21 mil euros por duas reuniões” e também “Professora processada por fuga nos exames”.

O Jornal de Notícias revela: “Aumentos de 4 euros para quem recebe pensões mais baixas”. O diário escreve ainda sobre a gestão danosa das IPSS: “Paula Brito e Costa só sai com indemnização e subsídio de desemprego”.

O jornal I dá enfoque a uma entrevista ao humorista e comentador Ricardo Araújo Pereira. Além disso: “Consultora apontou para risco de fraude em contas aprovadas da Raríssimas”

 

Recomendadas

JCDecaux ganha um contrato de 10 anos com a ViaQuatro no Brasil

A JCDecaux ganha um contrato de 10 anos com a ViaQuatro para a exploração de espaços publicitários na linha 4 do metro de São Paulo, tornando-se no maior grupo de meios no metro do Brasil.

Cavaco e a marcação cerrada ao Governo. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

BBC vai despedir 382 trabalhadores ao redor do globo

O objetivo é apostar nas novas audiências, que cada vez mais procuram os meios digitais, alega a BBC. A líder de uma união de defesa dos trabalhadores, Philippa Childs, disse que os despedimentos foram consequência de más decisões do governo britânico.
Comentários