O que é o ‘Marketplace’? Conheça a plataforma onde a Worten investiu 7 milhões de euros

Worten estreia amanhã o ‘Marketplace’ no seu site. Projeto é “inovador pela sua estratégia e experiência verdadeiramente integradora entre online e loja física”, disse Mário Pereira, o COO da Worten Ibéria.

A Worten, unidade de retalho eletrónico da Sonae, lança esta quinta-feira o Marketplace, plataforma digital na qual empresas parceiras selecionadas irão vender artigos de casa e decoração, e outros produtos, numa segunda fase. A empresa investiu cerca de sete milhões de euros e criou 100 postos de trabalho, apostando em reforçar a presença online, com o Marketplace disponível no site da Worten.

“O Marketplace é inovador pela sua estratégia e experiência verdadeiramente integrada entre online e loja física. Esta nova plataforma vai permitir fazer crescer a marca para novas dimensões do retalho, mantendo a qualidade de serviço e estreitando ainda mais a relação de confiança com os nossos clientes”, disse Mário Pereira, COO da Worten Ibéria, num evento na loja do Centro Colombo esta terça feira.

O novo modelo de negócio da Worten é diferenciador por ser omnicanal, uma vez que os parceiros da retalhista podem colocar os seus produtos à venda no site da Worten, ficando esta encarregue de colocar a sua rede de lojas à disposição para ajudar no processo de compra e recolha de produtos, mas também no esclarecimento de dúvidas dos clientes.

O lançamento do Marketplace segue a tendência de crescimento que a marca alcançou no espaço e-commerce. O site worten.pt “é já a maior loja da Worten” que, entre 2016 e 2017, cresceu 50% em Portugal e 65% em Espanha, disse Mário Pereira. “O site vende mais que a loja do Colombo, que é a maior loja da marca na Península Ibérica”, adiantou, sobre a rede que tem 180 lojas em Portugal.

Segundo os dados apresentados no evento, apenas 8,6% das compras em Portugal são feitas através da Internet, abaixo da média europeia mas que, ainda assim, está em “franco crescimento” no país, disse Mário Pereira. “Estamos a viver a digitalização em todas as áreas da sociedade. Sabemos que cerca de um terço dos portugueses compram online e que, até 2025, esse número subirá para perto dos 60%”.

Numa primeira fase, o Marketplace vai apostar na venda de 30 categorias de artigos para a casa e decoração, com 8.000 colchões e 15 mil artigos da área têxtil. Até ao final do ano, o COO da Worten espera ter um milhão de referências na nova plataforma digital da empresa. Mais tarde, Marketplace vai vender produtos das categorias mais vendidas através do e-commerce em Portugal, onde se destacam roupas e peças de vesturáio (49,%), equipamentos móveis (47,8%), equipamentos informáticos (35,1%) e livros (30,6%).

Apostando na digitalização do serviço e na presença de lojas físicas, o Marketplace vai oferecer soluções de entrega dos produtos adaptáveis às necessidades dos clientes. A entrega de produtos tanto poderá ficar encarregue aos parceiros da retalhista, como à própria Worten, sendo que os clientes poderão ir buscá-los às lojas ou recebê-los em casa.

 

Recomendadas

PremiumValérius afasta para já produção da Dielmar em Marrocos

interessada na Dielmar admitiu vir a transferir a produção para Marrocos, porque na Europa a especialização do sector está a desaparecer. CEO admite ao JE que será um processo a dez, 15 anos.

Huawei foi excluída do 5G do Reino Unido devido a pressão americana, diz antigo ministro britânico

“Não teve nada a ver com segurança nacional”, afirma Vince Cable, citado pela Euractiv, contrariando os argumentos invocados por Boris Johnson quando em 220 baniu a empresa chinesa da construção da rede de 5G no país.

NOS distingue-se no combate às alterações climáticas

O CDP – Disclosure, Insight, Action atribuiu pelo segundo ano consecutivo o rating A- à operadora de telecomunicações portuguesa.
Comentários