O que é o spread no crédito à habitação e como saber se está adequado? Saiba aqui

Para quem contratou crédito à habitação há mais de dez anos é possível que esteja a pagar um spread elevado, se comparado com o atualmente praticado no mercado. Atualmente há ofertas bancárias com spreads abaixo de 1% no crédito à habitação, com bancos a oferecer spreads de 0,85%.

Para quem recorre a crédito à habitação quando compra casa há um conjunto de indicadores que deve avaliar, idealmente antes mesmo de dar esse passo que constitui porventura a decisão mais importante da vida financeira de um consumidor ou agregado familiar.

Um desses indicadores é o spread. Hoje fala-se mais sobre este e outros termos financeiros, pois, muitas famílias estão a sentir o impacto nos seus créditos da subida da Euribor e uma das formas de o mitigar será avaliar as condições negociadas, nomeadamente através do spread, reduzindo-o, se possível. O spread, sendo uma componente da taxa de juro, será um termo familiar para muitos consumidores que contrataram ou vão contratar crédito à habitação, mas pelo peso que poderá revestir no montante de juro que vão pagar ao banco pelo empréstimo, não deve ser desvalorizado.

Na atual conjuntura, em que por força do aumento da Euribor a prestação de crédito à habitação a taxa variável está a subir e sendo o spread parte integrante do juro, que acresce a este indexante, será importante que as famílias analisem os seus créditos e verifiquem qual o spread que estão a pagar e se estará ajustado à sua situação concreta.

O spread é livremente definido pelo banco, caso a caso e contrato a contrato. Para tal, o banco avalia o perfil do consumidor e o risco associado ao financiamento, tendo em consideração, por exemplo, a sua capacidade financeira, o montante global do financiamento, a eventual existência de outras responsabilidades de crédito e o peso do empréstimo comparado com o valor do imóvel.

O spread contratado vai vigorar, em princípio, ao longo do prazo de maturidade do empréstimo, mas se houver incumprimento por parte do devedor, por exemplo, poderá ser agravado.

Para quem contratou crédito à habitação há mais de dez anos é possível que esteja a pagar um spread elevado, se comparado com o atualmente praticado no mercado. Atualmente há ofertas bancárias com spreads abaixo de 1% no crédito à habitação, com bancos a oferecer spreads de 0,85%.

Obviamente não se aplicará a todos os contratos de crédito à habitação, mas quem estiver com spreads altos pode tentar renegociar com o banco melhores condições e assim acomodar o impacto do aumento da taxa de juro no orçamento familiar.

Mas atenção. Se o fizer lembre-se de avaliar bem antes de aceitar qualquer proposta que lhe seja feita, nomeadamente para a subscrição de produtos ou serviços, ou seja, de seguros de saúde, PPR ou até trens de cozinha, purificadores de água, vinhos ou outros.

À DECO têm chegado várias denúncias relativamente à atuação de alguns bancos, pelo que deverá ponderar bem da respetiva utilidade e interesse. A nossa recomendação vai no sentido de que, se tem crédito à habitação, reveja as condições que tem e equacione eventuais alternativas mais favoráveis, antecipando futuras subidas da Euribor, o que poderá passar por renegociar o spread, mas também por transferir o crédito, optar por uma taxa fixa ou mista, alongar o prazo, entre outras soluções que poderá adotar.

Informe-se connosco.

Conte com o apoio da DECO MADEIRA através do número de telefone 968 800 489/291 146 520, do endereço eletrónico deco.madeira@deco.pt. Pode também marcar atendimento via skype. Siga-nos nas redes sociais Facebook, Twitter, Instagram, LinkedIn e Youtube.

Recomendadas

80% dos que se despediram em 2022 arrependem-se da decisão, aponta estudo

O fenómeno que ficou conhecido como ‘a grande demissão’ resultou num grande arrependimento. 80% dos trabalhadores que largaram os seus empregos no ano passado gostaria de voltar atrás na decisão, revela um estudo da Paychex.

Deputados aprovam definição de limite de isenção para despesas com teletrabalho

Os deputados aprovaram hoje na especialidade uma proposta do PS para que seja definido o valor até ao qual a compensação que as empresas têm de pagar pelas despesas adicionais com teletrabalho ficam isentas de imposto.

Saiba aqui por que é importante sensibilizar os jovens para gerir o dinheiro e poupar

No geral, as famílias portuguesas ainda poupam muito pouco e é necessário inverter esta tendência começando precisamente pelos mais novos. É importante que os jovens aprendam a poupar, a fazer escolhas no presente para que possam pensar num objetivo no futuro.
Comentários