O que é preciso para reconstruir o Montepio? Veja a entrevista a Pedro Corte-Real, candidato à liderança da mutualista

Que futuro para a mutualista Montepio? Pedro Corte-Real, crítico das várias lideranças da dona do Banco Montepio e candidato às eleições de 17 de dezembro da Associação Mutualista Montepio Geral pela lista B é entrevistado por Maria Teixeira Alves, grande repórter do JE, relativamente aos grandes desafios desta instituição.

No próximo dia 17 de dezembro, realiza-se a Assembleia Geral para eleição dos órgãos associativos da Associação Mutualista Montepio Geral, para o mandato 2022/2025.

Pedro Corte-Real é o líder da lista B candidata às eleições. É doutorado em estatística e professor auxiliar da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Nesta entrevista a Maria Teixeira Alves, grande repórter do Jornal Económico, Pedro Corte-Real explica o que é preciso para reconstruir a Associação Mutualista Montepio Geral.

Relacionadas

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.
Recomendadas

ASF pede que seguradoras reduzam prémio cobrado quando capital seguro decresce

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) lança recomendações ao sector segurador para mitigar o impacto da conjuntura económica adversa.

BPI obtém certificação AENOR para a qualidade do serviço na “Banca de Empresas”

A “Banca de Empresas do BPI” serve, através de uma rede especializada, as grandes, pequenas e médias empresas. Segundo a instituição esta rede “é também direcionada para Clientes institucionais, nomeadamente entidades do Setor Público, Empresas Públicas e Municipais e Setor Empresarial do Estado”.

Caixa realiza Simulacro anual no edifício Sede

“O exercício teve a participação de 3 mil pessoas que se encontravam no edifício à hora do simulacro”, diz a CGD.  
Comentários