Como investir no pós-COVID-19

O impacto da pandemia do novo coronavírus tem-se vindo a registar em quase todos os setores e indústrias. Não é surpresa nenhuma que a área dos investimentos também tenha sido afetada. Ainda assim, é preciso contrariar o medo até porque há opções de investimento estáveis e de confiança.

 

Logo antes do rebentar da pandemia à escala global, já se registava alguma instabilidade no mercado. Muitas previsões apontavam para possíveis crises económicas. Neste contexto, a crise da COVID-19 só veio complicar as perspetivas, especialmente para quem investe junto de plataformas e instituições tradicionais.

Mal a pandemia começou, o impacto fez-se sentir primeiro nas bolsas de valores e no mercado de ações. Tanto o NASDAQ-100, o S&P 500 e o Dow Jones registaram as quedas mais acentuadas desde 2008 (na altura da crise do subprime). Desde então, muitas das bolsas mundiais implementaram medidas limitativas, de forma a contrariar as perdas e a evitar um colapso ainda maior.

Não nos podemos esquecer que é em momentos de crise que a volatilidade se revela. Falamos naturalmente de ativos como as criptomoedas, o ouro ou o petróleo — que variam fortemente e cujo investimento costuma ser mais indicado a investidores mais experientes. Por exemplo, os ETFs (Fundos Cotados em Bolsa) funcionam da mesma forma que um fundo de investimento tradicional, em que vários investidores confiam num gestor que no fim recebe as suas comissões. Contudo, estes ETFs podem ser voláteis e gerar graves prejuízos aos mais inexperientes. Também o modelo tradicional de investimento junto dos bancos se revela cada vez menos rentável. Além disso, ambos costumam exigir altos valores de entrada, uma liquidez que nem todos os investidores se podem dar ao luxo de mobilizar num período de crise como este em que vivemos.

O próprio comportamento do investidor mudou com a pandemia. Se o mercado de investimentos já era pautado por medo e incerteza, esta característica foi em parte ampliada com o novo coronavírus. Os insights partilhados nos últimos tempos dão mesmo conta de maior receio e apreensão por parte dos investidores. Mais uma vez, não nos podemos esquecer que a economia mundial sofreu um forte golpe, poucas vezes visto na história.

Ainda assim, há que recuperar a confiança dos investidores e recordar que existem alternativas seguras, sólidas e fáceis de usar.

Há algum tempo que começaram a surgir no mercado inúmeras plataformas de investimento 100% digitais, particularmente de crowdlending. É o caso da Bondora, uma destas plataformas, que atualmente é uma das maiores da Europa.

Nela, o investidor consegue colocar o seu dinheiro, por pouco que seja, à disposição de pessoas que precisam de empréstimos. Em troca, o investidor recebe o dinheiro de volta com os juros compostos que lhe estão associados. A Bondora é a intermediária de toda esta transação.

Há mais de 10 anos que estão no mercado e convém prestar especial atenção ao Go & Grow. Trata-se de uma ferramenta na plataforma que lhe permite apenas acrescentar fundos à sua conta e vê-los começar a render com uma taxa esperada de até 6,75%* ao ano. Recebe os seus ganhos diariamente e pode decidir retirá-los a qualquer momento, em 100%.

É uma solução simples de usar, apta até para os mais inexperientes no mundo dos investimentos, com possibilidade de investimento a partir de apenas 1 euro.

 

Nos tempos que correm, em que as preocupações de saúde pesam mais do que as decisões financeiras, importa pensar que não há crise que dura para sempre. Se souber olhar com perspetivas otimistas para esta situação e contrariar o medo de investir, pode ser capaz de mobilizar uma parte da sua poupança e gerar alguma riqueza.

A Bondora é uma das opções mais fáceis de usar existentes no mercado — o registo leva apenas um minuto e é das plataformas que oferecem rápida liquidez. Além disso, ao longo de toda esta crise pandémica, nenhum investidor deixou de receber um cêntimo que fosse com o Go & Grow da Bondora e os próximos meses, a sair desta crise, já adivinham melhores tempos.

Com o “novo normal” a ameaçar mudar todo o nosso comportamento enquanto sociedade, será de esperar que o comportamento dos investidores seja também alvo de mudança. As plataformas de P2P poderão crescer ainda mais, com os investidores a manter parcelas cada vez maiores do seu dinheiro em investimentos fáceis de levantar e que apresentaram retornos muito menos voláteis durante a crise. Talvez a forma como poupamos mude com a forma como olhamos para o nosso dinheiro.

É importante manter-se informado, escolher a opção de investimento que faz mais sentido para si e para o seu dinheiro e preparar o futuro.

* Capital em risco. Os investimentos realizados através da Bondora não têm capital garantido. A preservação do valor investido também não está garantida. Note que o rendimento obtido no passado não é uma garantia de taxa de rendimento futura. O rendimento do Go & Grow é até 6,75% ao ano. Antes de tomar uma decisão de investimento, leia a declaração de risco da Bondora e consulte um consultor financeiro, se necessário.

 

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a Bondora.

Recomendadas

Worten cria centro de Marketing Digital

A equipa, liderada por Simão Pires, vai ser responsável pela coordenação de media, redes socias e conteúdo digital, integração e coordenação de meios de comunicação digital e transformação de processos criativos para garantir foco digital.

Três startups vencem programa de inovação da Prio

As empresas AirCO2 Fintech (Espanha), BeFC (França) e Evyon (Noruega) ganharam a sexta edição do “Jump Start”. “Perante desafios tão importantes como a transformação digital, sustentabilidade e a transição energética, acreditamos que é fundamental dar voz e colaborar com startups”, garante a diretora de I&D da petrolífera.

Empresas precisam de mudanças que deem sinal de esperança, diz bastonária dos contabilistas

Paula Franco tem “expectativa” de que no próximo Orçamento do Estado sejamos “surpreendidos com medidas que aumentem a confiança”.
Comentários