O que se sabe da nova estirpe de coronavírus que prolifera no sul do Reino Unido

Apesar de não parecer causar uma infeção mais grave do que o coronavírus mais comum na Europa, existem também fortes indícios de que o contágio será efetivamente mais rápido, dada a alteração nas espigas que compõem a estrutura exterior do organismo infecioso. Os responsáveis das farmacêuticas responsáveis pelas vacinas já submetidas para aprovação dizem-se confiantes que as alterações não afetem a eficácia das inoculações.

É normal os vírus sofrerem mutações, sendo que a maioria acaba por morrer sem proliferar ou, em termos práticos, não representam qualquer alteração significativa no comportamento destes organismos. No caso do novo coronavírus, têm sido levantadas suspeitas de que a estirpe identificada recentemente no Reino Unido constitua, de facto, uma nova mutação do agente infecioso.

Denominada temporariamente VUI 202012/01, dado que é uma ‘Variante Sob Investigação’ (‘Variant Under Investigation’, no original inglês) descoberta a dezembro de 2020, este organismo levará semanas a ser estudado até que se possa concluir se constitui, de facto, uma mutação com um risco diferente para a saúde humana.

Esta possibilidade foi levantada pela rápida propagação que se verificou no sul do Reino Unido, chegando mesmo a ser equacionado que esta nova estirpe poderia ser até 70 vezes mais contagiosa do que a mais comum na Europa.

O rápido acelerar da pandemia na região obrigou mesmo a novas medidas mais restritivas, com o ministro da Saúde britânico a falar mesmo numa situação “fora de controlo”, isto em entrevista à Sky News. Há ainda relatos de que casos de infeção por esta nova estirpe terão chegado ao País de Gales, Países Baixos, Dinamarca e até Austrália. Foram já vários os países a também apertar no controlo das viagens entre o seu território e as ilhas britânicas.

Embora estas conclusões careçam ainda de prova científica, parece haver fortes indícios que suportam esta teoria. Ao contrário de outras estirpes do novo coronavírus identificadas na Europa desde o rebentar da pandemia, como a que obrigou ao abate de milhões de martas nas explorações dinamarquesas deste mamífero, esta parece, de facto, comportar-se de forma diferente ao nível do contágio entre humanos.

Especificamente, a VUI 202012/01 apresenta uma alteração nos peplómeros, as estruturas prominentes que se situam na superfície do vírus e que são responsáveis pela sua fixação nos tecidos do organismo hospedeiro.

A principal preocupação, ainda assim, prende-se com os efeitos aquando de uma infeção. Até agora, estes parecem semelhantes ao que se verificava com a estirpe europeia mais comum.

No entanto, o impacto desta alteração nos efeitos que a infeção causa nos humanos infetados parece limitado, como salientam vários especialistas que apontam para as taxas estáveis de hospitalizações em função dos casos de infeção. Caso a nova estirpe afetasse o corpo humano de forma diferente, este rácio ter-se-ia alterado significativamente, como expressa o diretor geral do Laboratório Europeu de Biologia Molecular, Ewan Birney, ao The Guardian.

Outra questão relevante é como se formou esta mutação, algo a que os cientistas esperam conseguir responder num futuro próximo.

Considerando as baixas probabilidades de uma alteração na gravidade da infeção, as dúvidas mais relevantes prendem-se assim com a interação das vacinas já aprovadas e as que estão ainda em desenvolvimento com esta nova estirpe do vírus. Apesar de treinarem o sistema imunitário dos vacinados para lidarem com estes peplómeros e os neutralizarem, os responsáveis da Pfizer, Moderna e Oxford dizem-se confiantes na capacidade dos fármacos de criarem uma resistência à propagação do vírus.

Relacionadas

Portugal não identificou ainda a nova estirpe do Reino Unido, revela Instituto Ricardo Jorge

Em declarações à Lusa, fonte do gabinete de imprensa do INSA recordou que o “estudo tem como objetivo principal determinar os perfis mutacionais do SARS-CoV-2 para identificação e monitorização de cadeias de transmissão do novo coronavírus, bem como identificação de novas introduções do vírus em Portugal”.

Nova estirpe de Covid-19: Itália, Bélgica e Países Baixos já ‘fecharam’ fronteiras ao Reino Unido

Os Países Baixos e a Bélgica foram alguns dos países a avançar com restrições ao Reino Unido, depois do surgimento de uma nova variante do coronavírus que pode ser 70% mais contagiante, como admitiu Boris Johnson, primeiro-ministro britânico.

Nova estirpe de Covid-19 obriga a reunião entre Paris, Berlim e União Europeia

Segundo um comunicado da Presidência francesa, a reunião contou com a participação do chefe de Estado da França, Emmanuel Macron, da chanceler da Alemanha, Angela Merkel e da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, sem que tenham sido ainda anunciados resultados.

Portugal está a seguir com atenção evolução epidemiológica no Reino Unido, diz Ministério dos Negócios Estrangeiros

“É conhecida a posição portuguesa de privilegiar as medidas de proteção tomadas universalmente, em vez de restringir em demasia as possibilidades de circulação de pessoas que tem de viajar por razoes essenciais (profissionais, por reunião familiar, etc)”, indicou a fonte do ministério tutelado por Augusto Santos Silva.
Recomendadas

Conferência do Jornal Económico debate os grandes temas de 2023

O auditório principal do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) recebeu na passada sexta-feira, 16 de setembro, a conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

Primeiro-ministro espanhol testou positivo à Covid-19

Sánchez não disse se estava a sentir-se doente ou se iria cancelar outros compromissos na próxima semana.

Portugal registou 18.315 mil casos e 37 mortes de Covid-19 na última semana

A Direção-Geral da Saúde contabilizou mais 2.049 infeções em comparação à semana anterior.
Comentários