Obama diz que será a história a julgar Fidel Castro

Obama prestou condolências ao povo cubano.

Brendan McDermid/Reuters

Barack Obama prestou declarações sobre a morte de Fidel Castro, afirmando que “a história registará e julgará” o impacto do líder cubano, nas pessoas e no mundo.

Enviou condolências à família, dizendo que o pensamento e as orações do povo americano estavam com o povo cubano.

“Durante quase seis décadas, a relação entre os Estados Unidos e Cuba, foi marcada pela discórdia e por profundos desacordos políticos”, disse Obama, acrescentando: “Durante a minha presidência, trabalhámos muito para deixar o passado para trás, em prol de um futuro em que a relação entre os nossos países se defina não pelas nossas diferenças, mas sim pelas muitas coisas que partilhamos como vizinhos e amigos: os vínculos familiares, a cultura, o comércio e uma humanidade comum.”

Para finalizar, Obama referiu que, agora que os cubanos recordam o passado e olham para o futuro, “devem saber que têm um amigo e um parceiro nos Estados Unidos da América.”

Recomendadas

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,

Ucrânia. PM de Moçambique diz que “interesses do país” levaram a abster-se de condenar Rússia

“Não estamos a tomar posição nem de um lado, nem do outro. Estamos a tomar aquilo que a nossa Constituição nos diz para fazer e que é bom para o país e para os interesses de Moçambique”, salientou o primeiro-ministro moçambicano.

Lavrov acusa os EUA de “brincarem com o fogo” em Taiwan

Sergei Lavrov diz que os EUA estão a tentar fazer do mundo “o seu quintal” através da aplicação de sanções e acusa-os de “brincarem com o fogo” em Taiwan.
Comentários