Obama promete resposta aos ataques informáticos feitos pela Rússia durante as presidenciais

Ataque de pirataria russo teve como finalidade beneficiar Donald Trump durante a corrida à Casa Branca.

Joshua Roberts/Reuters

O ainda presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou esta sexta-feira que vai “tomar medidas” para responder aos ataques informáticos russos ocorridos durante as presidenciais norte-americanas, com o objetivo de interferir nos resultados eleitorais.

Numa entrevista à rádio norte-americana NPR, Obama diz que “que não há dúvida de que se um governo estrangeiro, seja ele qual for, tenta afetar a integridade das nossas eleições, precisamos de agir. E nós vamos [fazê-lo], no momento e lugar em que decidamos”.

O relatório da CIA, divulgado na semana passada pelo jornal “Washington Post”, mostra que o presidente russo, Vladimir Putin esteve pessoalmente envolvido no ataque de pirataria de que os Estados Unidos foram alvo durante as eleições. O relatório indica que o ataque teve como principal finalidade ajudar o candidato republicano, Donald Trump.

Os responsáveis pelos serviços de informação norte-americanos acreditam que Putin agiu como forma de vingança pelas declarações de Hillary Clinton, quando esta era chefe de diplomacia, que colocavam em causa a integridade das eleições parlamentares na Rússia em 2011.

A CIA admite ainda a possibilidade de Moscovo querer alargar o seu objetivo para mostrar ao mundo as falhas da política nos EUA. A intenção seria, nas palavras dos responsáveis, “dividir os aliados cruciais dos Estados Unidos, dando-lhes a impressão de que não poderiam mais contar com os Estados Unidos como líder mundial credível”.

 

Relacionadas

Eleições: Espiões dos EUA acusam Putin de envolvimento directo nos ciberataques

Serviços de informação norte-americanos acreditam que presidente russo foi motivado por um desejo de vingança contra Hillary Clinton, avança a NBC.
Recomendadas

Eleições em São Tomé. Patrice Trovoada exorta primeiro-ministro a reconhecer a derrota

O presidente da Ação Democrática Independente (ADI), partido mais votado nas legislativas de São Tomé e Príncipe, exortou hoje o primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, a reconhecer a derrota do MLSTP/PSD “o mais rapidamente possível” para apaziguar o clima social.

CPLP e comunidade da África Central negoceiam cooperação política e de formação em português

A Comunidade Económica dos Estados da África Central e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) discutiram hoje formas de cooperação no domínio político, desenvolvimento da língua portuguesa e comissões de observação eleitoral, referiram responsáveis das organizações.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.
Comentários