Obama recusa polémico oleoduto Keystone

O presidente dos EUA, Barack Obama, anunciou a rejeição da construção do polémico oleoduto Keystone, um projeto da empresa canadiana TransCanada muito criticado por organizações de defesa do meio ambiente. Obama disse que está de acordo com a decisão tomada pelo seu secretário de Estado, John Kerry, cujo departamento estava encarregado de rever o projeto […]

O presidente dos EUA, Barack Obama, anunciou a rejeição da construção do polémico oleoduto Keystone, um projeto da empresa canadiana TransCanada muito criticado por organizações de defesa do meio ambiente.

Obama disse que está de acordo com a decisão tomada pelo seu secretário de Estado, John Kerry, cujo departamento estava encarregado de rever o projeto e concluiu que a construção desse oleoduto “não serve o interesse nacional” dos EUA.

A construção desse oleoduto, pensado para transportar crude do Canadá para o Texas (EUA), “não suporia uma contribuição significativa a longo prazo para a nossa economia”, argumentou Obama desde o salão Roosevelt na Casa Branca, flanqueado por Kerry e pelo seu vice-presidente, Joe Biden.
O anúncio de Obama produziu-se dois dias depois da recusa do seu Governo à petição da TransCanada de suspender a revisão que estava a fazer o Departamento de Estado sobre o impacto da possível construção desse oleoduto.
OJE
Recomendadas

Cimeira da NATO: o Ártico é a próxima fronteira

A entrada da Suécia e da Finlândia na NATO, um dos temas centrais da agenda da cimeira da Roménia, transforma o Ártico numa nova zona de conflito potencial. A Rússia lembrou esse perigo, que Jens Stoltenberg conhece bem.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Morreu Jiang Zemin, ex-presidente e um dos construtores da China moderna

Foi um dos obreiros do crescimento económico da China e pretendeu construir um relacionamento estável com os Estados Unidos. Queria uma China a “entrar no mundo”.