Obras concluídas aumentam 23,2% no terceiro trimestre em 2017

Ao todo foram concluídos 3,3 mil edifícios no terceiro trimestre, de acordo com dados preliminares no setor da Construção.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

Os edifícios licenciados cresceram 6,7% e os edifícios concluídos registaram um aumento de 23,2% no tereiro trimestre de 2017, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), publicados esta quinta-feira.

No terceiro trimestre de 2017, de acordo com os dados preliminares do relatório “Construção: Obras licenciadas e concluídas“, os edifícios licenciados aumentaram 6,7% face ao período homólogo – 8,6% entre abril, maio e junho de 2017 – correspondendo a 4,5 mil edifícios. Nos edifícios licenciados para construções novas registou-se um acréscimo de 14,7% no terceiro trimestre, enquanto no licenciamento para reabilitação se registou uma diminuição de 5,4% (-0,3% no segundo trimestre de 2017).

De acordo com o INE, os edifícios concluídos registaram um aumento de 23,2%, face aos 12,2% no segundo trimestre de 2017. Ao todo foram concluídos 3,3 mil edifícios. Comparativamente com o trimestre anterior, o número de edifícios licenciados diminuiu 4,7%.

A maioria das obras concluídas foram edifícios novos (68,8%) e dos quais 66,7% destinaram-se a habitação familiar.

Em termos de regiões, as maiores subidas foram na área metropolitana de Lisboa e Centro, enquanto Alentejo e Madeira registaram as únicas descidas em termos de edifícios licenciados.

Na construção nova os destaques positivos continuaram a ser nas regiões de Lisboa e no Centro e pela negativa no Alentejo, enquanto na reabilitação a maior subida foi no Algarve e a descida mais expressiva para a zona da capital.

As regiões da Madeira, Lisboa e Algarve tiveram os maiores aumentos no número de edifícios concluídos. Em termos de construções novas (24,8%) os destaques foram as mesmas três regiões, enquanto na reabilitação os crescimentos mais expressivos foram as zonas do Norte e Lisboa.

Recomendadas

FMI estima que a espiral de salários-preços ainda é um “risco limitado”

A ausência de uma espiral preços-salários não deve levar os líderes a não agirem para combater a inflação persistente, considera ainda o Fundo Monetário Internacional.

Compra de carros de luxo pela TAP “é um problema de bom senso”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

“Já falei em relação a várias entidades públicas no passado e em relação à distribuição de dividendos e em relação aos salários e entendo que quando se está num período de dificuldade deve fazer-se um esforço para dar o exemplo de contenção”, defendeu hoje Marcelo Rebelo de Sousa.

Albergaria investe 3,7 milhões de euros na zona industrial para captar investimento e criar emprego

O município “tem realizado um forte investimento no desenvolvimento económico, dinamizando o sector empresarial e a economia local” nos últimos anos, segundo António Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.
Comentários