OCDE contraria previsão do Governo e espera crescimento de 1,3% em 2015

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) estima, num relatório divulgado hoje, que a economia portuguesa cresça 1,3% em 2015, abaixo do que previu em maio e abaixo dos 1,5% previstos pelo Governo. No Economic Survey de 2014 divulgado hoje, a OCDE revê ligeiramente em baixa a perspetiva de crescimento do Produto Interno […]

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) estima, num relatório divulgado hoje, que a economia portuguesa cresça 1,3% em 2015, abaixo do que previu em maio e abaixo dos 1,5% previstos pelo Governo.

No Economic Survey de 2014 divulgado hoje, a OCDE revê ligeiramente em baixa a perspetiva de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) português, estimando agora que aumente 1,3% no próximo ano, menos 0,1 pontos percentuais do que o calculado em maio.

A estimativa fica também abaixo do previsto pelo Executivo liderado por Pedro Passos Coelho no Orçamento do Estado para 2015, que antecipa que o PIB cresça 1,5% já no próximo ano.

Segundo o relatório, a OCDE prevê um crescimento de 1,5% em 2016, também 0,2 pontos percentuais abaixo do que antecipou o Governo para esse ano (1,7%) no Documento de Estratégia Orçamental (DEO), divulgado em abril.

A instituição liderada por Angel Gurría também reviu em baixa a previsão de crescimento para 2014, esperando agora que o PIB aumente 0,8%, em vez dos 1,1% estimados em maio. Esta estimativa fica também abaixo do crescimento previsto pelo Governo na proposta de Orçamento: 1%.

A organização espera também que a taxa de desemprego este ano e no próximo seja inferior ao estimado em maio, antevendo agora que seja de 14,1% (menos um ponto percentual) em 2014 e 13,3% em 2015 (menos 1,5 pontos percentuais).

Estas previsões de desemprego são mais otimistas do que as previsões do Governo para este ano, de 14,2%, e para o próximo, 13,4%, segundo a proposta orçamental para 2015.

Já para 2016, antecipa a instituição sedeada em Paris, a taxa de desemprego poderá descer para os 13%.

No relatório, a OCDE considera que “as exportações vão continuar a liderar a recuperação económica, acompanhadas pela recuperação dos mercados de exportação portugueses, especialmente na zona euro”.

As exportações, que a Organização afirma que têm de ser reforçadas, podem também levar à melhoria no saldo da balança de pagamentos. A OCDE admite que as contas externas passem de um défice de 0,4% do PIB este ano para um saldo positivo de 0,5% no próximo e de 1% do PIB em 2016.

Por outro lado, a organização admite que a necessidade de consolidação orçamental, a ainda elevada dívida do setor público e o desemprego “vão conter” a procura interna.

A OCDE alerta para riscos ao crescimento económico português que poderão ter “custos significativos”, como o de uma possível deflação.

“Depois de a inflação ter sido negativa no início de 2014, existe um risco de deflação que pode tornar-se mais persistente, no contexto de baixa inflação na zona euro. Isto pode fazer descarrilar a recuperação económica e dificultar a redução da dívida”, alerta a instituição.

OJE/Lusa

Recomendadas

OE2022. Pagamentos em atraso sobem para 778,1 milhões até agosto

Os pagamentos em atraso das entidades públicas atingiram os 778,1 milhões de euros em agosto, um aumento em 157,6 milhões de euros face ao mesmo período do ano anterior, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

OE2022. Receita fiscal do Estado aumenta 22,8% até agosto para 33,5 mil milhões

A receita fiscal do Estado aumentou 22,8% até agosto face ao mesmo período do ano passado, totalizando 33.511,5 milhões de euros, segundo a Síntese da Execução Orçamental divulgada esta segunda-feira.

OE2022. Resposta à Covid-19 custou ao Estado 2.835,2 milhões até agosto

A resposta à covid-19 custou 2.835,2 milhões de euros até agosto, devido à perda de receita em 464,5 milhões de euros e ao aumento da despesa em 2.370,7 milhões, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).