OCDE corta crescimento da economia mundial para 2,9% e apela a ação política concertada

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento projeta um crescimento do PIB mundial de 2,9% no próximo ano e da zona euro de 1,2%. Instituição alerta para a necessidade de ações políticas “imediatas” para diminuir a incerteza internacional e aumentar a resiliência contra os riscos.

O crescimento do PIB mundial permanece fraco, com uma desaceleração em quase todas as economias este ano, e o comércio global está estagnado. O alerta é da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento (OCDE), que apela a uma ação política a nível global capaz de responder ao abrandamento do crescimento mundial, que é o “mais fraco desde a crise financeira”.

No “Economic Outlook”, divulgado esta quinta-feira, a instituição liderada por Ángel Gurría cortou as projeções de crescimento do PIB mundial para 2,9% no próximo ano, menos 0,1 ponto percentual do que no relatório intercalar de setembro. Para este ano, a OCDE prevê um crescimento de 1,9%, enquanto em 2021 vê a economia a ter uma expansão de 3%. Já para a zona euro, a OCDE projeta um crescimento de 1,2% nos três anos em análise.

“O aprofundamento contínuo das tensões nas políticas comerciais desde maio está a afetar cada vez mais a confiança e o investimento, aumentando ainda mais a incerteza política”, explica a instituição, que considera que os efeitos dos estímulos da políticas monetárias adotadas pelos bancos centrais parecem ter menos efeitos do que no passado.

A OCDE considera que a incerteza internacional levanta “preocupações de que as expectativas de crescimento continuem a diminuir na ausência de ação política”.

“O crescimento pode ser ainda mais fraco se os riscos negativos se materializarem ou interagirem, incluindo a partir de um aumento das restrições à política comercial e investimento transfronteiriço, a contínua incerteza  sobre o Brexit, a incapacidade dos estímulos evitarem um abrandamento mais acentuado na China e o surgimento de vulnerabilidades financeiras das tensões entre o abrandamento do crescimento, a elevada dívida das empresas e a deterioração da qualidade do crédito”, justifica.

A instituição insta os governos a agirem, considerando que “a perspectiva económica moderada e os crescentes riscos negativos exigem ações políticas imediatas para reduzir a incerteza”, de modo garantir apoio suficiente à procura, aumentar a resiliência contra riscos e fortalecer as perspectivas de padrões de vida a médio prazo.

(Atualizado às 10h23) 

Recomendadas

Costa contraria ideia de empobrecimento e afirma que Portugal está a crescer mais do que Alemanha, França e Espanha

Dados de Costa surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que em 2024 a Roménia ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da UE.

Macau renova licenças às seis atuais operadoras de casinos no território

MGM Grand Paradise, Galaxy Casino, Venetian Macau, Melco Resorts (Macau), Wynn Resorts (Macau) e SJM Resorts viram as propostas aprovadas.

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.
Comentários