OCDE prevê défice orçamental e dívida pública acima das metas do Governo

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) estima que o défice atinja os 2,9% do PIB e a dívida pública portuguesa os 128,3% do PIB em 2015, acima das metas previstas pelo Governo. Segundo o relatório bianual sobre a economia portuguesa hoje divulgado, a OCDE revê em alta a estimativa do défice para […]

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) estima que o défice atinja os 2,9% do PIB e a dívida pública portuguesa os 128,3% do PIB em 2015, acima das metas previstas pelo Governo.

Segundo o relatório bianual sobre a economia portuguesa hoje divulgado, a OCDE revê em alta a estimativa do défice para o próximo ano, esperando que se fixe nos 2,9% do Produto Interno Bruto (PIB), quando em maio antecipava que ficasse pelos 2,4%.

Esta estimativa conhecida hoje fica 0,2 pontos percentuais acima do previsto pelo Governo na proposta de Orçamento de Estado de 2015, que antecipa um défice orçamental de 2,7% do PIB no próximo ano, uma meta superior ao acordado com os credores internacionais durante o programa de resgate.

Para 2014, a instituição estima um défice orçamental de 4,9% do PIB, ligeiramente superior aos 4,8% comunicados a Bruxelas pelo Governo no âmbito do Procedimento por Défices Excessivos no final de setembro.

A organização internacional liderada por Angel Gurría também antecipa uma dívida pública superior à estimada pelo Governo para o próximo ano. O Executivo liderado por Pedro Passos Coelho prevê que a dívida desça para os 123,7% do PIB, enquanto a OCDE é menos otimista e antevê uma dívida mais elevada em 2015, de 128,3% do PIB.

A OCDE antecipa uma diminuição da dívida pública apenas daqui a dois anos, calculando que cresça dos 127,3% do PIB em 2014 para os 128,3% em 2015, descendo para os 127,9% do PIB em 2016.

A instituição sedeada em Paris defende, no relatório hoje divulgado, uma consolidação orçamental baseada na redução da despesa pública e não no aumento da receita fiscal.

“Enquanto as consolidações orçamentais orientadas pelos impostos [como aconteceu em Portugal] têm a vantagem de ser mais rápidas e têm um impacto imediato potencialmente mais baixo; de uma perspetiva de crescimento e equidade, a consolidação orçamental deve depender mais da redução de despesa, que também tende a ser mais sustentável do que consolidações orientadas pela receita”, lê-se no relatório.

A Organização estima que a despesa pública atinja os 50,1% do PIB este ano, um peso “já demasiado acima da média” da OCDE, “particularmente quando comparado com os níveis de rendimento de outros, já que países com salários mais elevados ‘per capita’ tendem a ter uma despesa pública mais elevada”.

Nesse sentido, a OCDE sugere uma redução no número de funcionários públicos, de modo a diminuir as despesas com pessoal na administração pública.

OJE/Lusa

Recomendadas

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.