OE2018: Centeno admite que versão final é melhor do que a entregue pelo Governo 

A versão final do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) contará com mais de 80 propostas de alteração dos vários partidos, além das apresentadas pela bancada socialista, tendo também o CDS, na oposição, conseguido aprovar propostas.

Cristina Bernardo

O ministro das Finanças considerou hoje que a versão final do Orçamento do Estado para 2018 é melhor do que a que foi inicialmente apresentada, depois dos contributos dos partidos em sede de discussão parlamentar.

“Todos os debates em democracia tendem a melhorar os objetos sujeitos a debate. Claro que é melhor [o Orçamento com as alterações propostas pelos partidos]”, comentou Mário Centeno aos jornalistas, questionado sobre as propostas de alteração ao documento que é submetido na segunda-feira a votação final global.

A versão final do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) contará com mais de 80 propostas de alteração dos vários partidos, além das apresentadas pela bancada socialista, tendo também o CDS, na oposição, conseguido aprovar propostas.

“O parlamento teve um rico e longo debate […]. O Orçamento que temos para executar em 2018 é um orçamento de rigor, robusto, de apoio à economia, de apoio às famílias, de melhoria dos serviços públicos e seguramente todo o Governo se revê no orçamento que vamos executar”, afirmou ainda Mário Centeno, à margem de uma visita aos serviços aduaneiros do Aeroporto de Lisboa.

Relacionadas

PS recua e chumba tributação de estudantes que trabalham nas férias

O deputado do PS Fernando Rocha Andrade pediu a palavra para anunciar que a bancada socialista quer mudar o sentido de voto daquelas normas, de a favor para contra.

Aprovadas novas regras de tributação para ‘recibos verdes’

No novo regime, a presunção automática de despesas passará a ser limitada: uma parte continuará a ser presumida, mas outra ficará dependente das despesas suportadas e registadas, sendo que em ambos os casos apenas 15% das despesas passarão a ser justificadas e não presumidas.

OE2018: PSD repete voto contra na versão final e diz que especialidade “piorou” documento

Líder parlamentar do PSD acaba de anunciar no Parlamento que os sociais-democratas vão votar contra a proposta do Orçamento do Estado para 2018 apresentada pelo Governo.

OE2018: Aprovada gratuitidade dos manuais escolares dos 5.º e 6.º anos

Os deputados da comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa cumpriram na quinta-feira o segundo dia de votações da proposta de Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) e das centenas de propostas de alteração apresentadas pelos partidos.

Aprovadas alterações aos escalões de IRS e a subida da derrama do IRC

Os deputados aprovaram hoje, na especialidade, o aumento do número de escalões do IRS, de cinco para sete, e as alterações à fórmula de cálculo do mínimo de existência. Já no que toca às empresas (IRC), o Parlamento aprovou esta quinta-feira, com os votos favoráveis da esquerda, a subida da derrama do IRC para as empresas com mais lucros, de 7% para 9%.

OE2018: Privados voltam a receber subsídios de Natal e de férias por inteiro

O pagamento dos subsídios de Natal e de férias no setor privado vai deixar de ser feito parcialmente em duodécimos e voltará a ser feito de uma só vez, em 2018, depois da aprovação de uma proposta do PCP.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Títulos de dívida pública desvalorizaram-se 35,4 mil milhões de euros em 2022, destaca BdP

“Um dos destaques do ano de 2022 foi a evolução distinta das cotações de ações e de títulos de dívida pública. Por um lado, assistiu-se à desvalorização dos títulos de dívida pública nacional em 35.400 milhões de euros. Por outro, as ações cotadas nacionais valorizaram-se 2.500 milhões de euros”, avança o banco central.

Bruxelas paga 1,8 mil milhões a Portugal no âmbito do PRR

Em comunicado, a Comissão Europeia adianta que o pagamento de hoje “foi possível graças ao cumprimento de Portugal nos 20 marcos e alvos relacionados com a segunda parcela”. 
Comentários