OE2020: Administração Pública vai ter mais 200 veículos elétricos de uso exclusivo

No documento preliminar do Orçamento de Estado, vão ser disponibilizados 200 veículos elétricos para uso do Governo. A medida será financiada pelo Fundo Ambiental.

Como parte do incentivo à mobilidade elétrica na Administração Pública, o Governo prevê, que em 2020, a Administração Pública tenha disponibilizado exclusivamente cerca de 200 veículos eléctricos. Esta medida vem no documento preliminar do Orçamento de Estado 2020, a que o Jornal Económico teve acesso.

O documento adianta que estão em causa organismos da administração pública para os quais os veículos “sejam indispensáveis à sua atividade operacional, em linha com os objetivos do projeto ECO.mob, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 54/2015, de 28 de julho”.

No documento em causa, é explicado: “Em 2020 o Governo prossegue, através do Fundo Ambiental, o programa de incentivo à mobilidade elétrica na Administração Pública, apoiando a introdução de 200 veículos elétricos exclusivamente para organismos da Administração Pública, incluindo a local, para os quais os veículos sejam indispensáveis à sua atividade operacional, em linha com os objetivos do projeto ECO.mob, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 54/2015, de 28 de julho”.

Já a proposta de Orçamento do Estado para 2018 previa a introdução de, pelo menos, 200 veículos elétricos na administração Pública, decisão que seguia os “objetivos do projeto ECO.mob para a inclusão de 1.200 veículos elétricos no parque de veículos do Estado até 2019, bem como o reforço das infraestruturas de carregamento, com a instalação de, pelo menos, 250 novos pontos de carregamento em território nacional”.

Em 27 de junho, o Ministério do Ambiente e da Transição Energética tinha informado que a administração pública ia ter mais 159 veículos elétricos financiados pelo Fundo Ambiental.

As viaturas a ser compradas faziam parte da segunda fase do programa ECO-mob, tendo sido adquiridas na primeira fase 170 viaturas, que já foram entregues em vários pontos do país, incluindo as regiões autónomas.

 

Recomendadas
catarina_martins_oe_2020

Bloco de Esquerda vota contra o OE2022 caso Governo não faça alterações

A coordenadora do partido, Catarina Martins, lançou este domingo críticas à “bandeira” da reforma do IRS proposta pelo Executivo de António Costa e denunciou a falta de investimento nos serviços públicos. Dirigente bloquista disse ainda que “a proposta ignora a crise energética”.

OE2022: Chega critica PCP e defende que é “o pior momento” para crise política

Ventura deixou um apelo “à responsabilidade de todos”, argumentando que “as pessoas estão um pouco fartas de crises políticas”. “Querem governar a sua vida, não querem que o Governo esteja sempre em sobressalto”, pelo que o Chega espera “que Bloco, PCP e PS se entendam”, frisou.

Alterações ao IRS não configuram “desagravamento substancial e generalizado”, dizem fiscalistas da KPMG e Católica

Leonardo Marques dos Santos, professor de Direito Fiscal da Faculdade de Direito da Universidade Católica, relembra que nem todos os contribuintes são jovens nem têm filhos, numa das críticas feitas às medidas apresentadas pelo Governo na proposta de OE2022.
Comentários