OE2020: Governo afinal estima desemprego de 6,1% no próximo ano

As previsões apontam para uma queda de 0,3 pontos percentuais face ao 6,4% para este. O valor inscrito na proposta de lei é, no entanto, superior aos 5,9% no esboço enviado para Bruxelas em outubro.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

A taxa de desemprego deverá cair para 6,1% da população ativa em 2020, segundo a previsão do Governo constante da proposta de Lei do Orçamento de Estado para 2020 entregue na Assembleia da República esta segunda-feira, 16 de dezembro.

Já este ano, a taxa de desemprego deverá descer para 6,4% da população ativa, o que significará uma diminuição de 0,3 pontos percentuais em 2020.

“Estima-se que a situação no mercado de trabalho mantenha uma evolução positiva em 2020, antecipando-se a continuação do crescimento do emprego (0,6%) e o prolongamento da trajetória descendente da taxa de desemprego, a qual deverá diminuir para 6,1%, em 2020 (6,4% em 2019)”, referiu o Executivo na proposta de lei orçamental.

O número é consideravelmente melhor do que o avançado no Programa de Estabilidade apresentado em abril. Nessa altura, o Governo antecipou uma taxa de desemprego de 6,6% para 2019, de 6,3% para 2020 e de 5,9% para 2021.

A projeção da taxa de desemprego para 2020 fica assim, ligeiramente acima dos 5,9% avançados em outubro no esboço orçamental enviado para a Comissão Europeia.

O aumento da taxa de emprego está diretamente relacionada com a evolução positiva do Produto Interno Bruto, que deverá crescer 1,9% em 2020, o mesmo ritmo que em 2019.

 

Recomendadas

Desafios tecnológicos, burocracia, renováveis e perda de água em debate

A transição energética em Portugal e na Europa esteve em debate na conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

Transição energética não pode ser feita sem as pessoas

Empresas do sector energético destacam a importância das pessoas nos seus projetos. A transição não pode ser feita sem o envolvimento das populações locais e sem a conversão de postos de trabalho.

Escassez de carros e inflação dominam mercado da gestão de frotas

Há falta de carros, há falta de peças, há uma inflação galopante no preço das viaturas e há o perigo do abrandamento económico. São fatores negativos para as gestoras de frotas das empresas. Mas as gestoras têm soluções.
Comentários