OE2022: da política orçamental às alternativas para o futuro. Veja em direto a conferência da Ordem dos Economistas

Conferência é organizada pela Ordem dos Economistas em parceria com o Institute of Public Policy e conta o Jornal Económico como media partner. O ministro das Finanças, Fernando Medina e o Governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, além de outros intervenientes, irão debruçar-se sobre o OE2022.

A política orçamental e as alternativas para o futuro, tendo como mote o OE2022, estarão em debate na conferência “O Orçamento do Estado para 2022”, organizada pela Ordem dos Economistas em parceria com o Institute of Public Policy e com o apoio do Banco de Portugal, que tem o Jornal Económico como media partner. A conferência terá lugar na Culturgest, em Lisboa, e é transmitida através da plataforma multimédia JE TV.

Os trabalhos irão ter início às 10h00 com a sessão de abertura a cargo de António Mendonça, bastonário da Ordem dos Economistas. Às 10h20, o ministro das Finanças, Fernando Medina, aborda as linhas mestras do OE2022.

Das 11h00 às 12h30, o painel “Política Orçamental e Alternativas para o Futuro”, moderado por Ricardo Santos Ferreira, subdiretor do Jornal Económico, irá contar com a análise de Paulo Trigo Pereira, presidente do Institute of Public Policy – Lisbon, Hélder Reis, assessor económico do Presidente da República, Jamila Madeira, deputada e vice-presidente da bancada parlamentar do PS e Margarida Mano, vice-reitora da Universidade Católica.

Esta conferência irá terminar com uma breve intervenção de António Rebelo de Sousa, membro da direção da Ordem dos Economistas e cabe a Mário Centeno, Governador do Banco de Portugal, finalizar os trabalhos, numa intervenção que terá lugar às 12h30.

Recomendadas

PremiumIdade da reforma deverá voltar a subir, depois do impacto da covid-19

A pandemia provocou um recuo inédito da idade da reforma em Portugal, mas esta deverá voltar a crescer, nos próximos anos, à medida que se atenuam os efeitos da covid na esperança de vida.

Pfizer regista um lucro anual em 2022 de 31,4 mil milhões de dólares

A farmacêutica registou aumentos nos lucros e nas receitas, mas espera que em 2023 haja uma quebra da faturação, devido à diminuição nas vendas de vacinas e medicamentos contra a Covid-19.

Reabertura “caótica” da China “difícil de digerir” para residentes em Shenzhen

O súbito fim da política de ‘zero casos’, sem anúncio antecipado ou preparação do sistema de saúde, deixou famílias a lutar pela sobrevivência dos membros mais idosos, à medida que uma vaga de infeções inundou os hospitais e crematórios do país.
Comentários