OE2022: Deputados do PSD-Madeira contrariam partido e abstêm-se de voto

Os deputados do PSD/Madeira justificaram hoje a sua abstenção na votação do Orçamento de Estado de 2022, aprovado hoje pela maioria parlamentar, por esperarem “boas concretizações” dos assuntos pendentes com a República e um melhor relacionamento institucional.

Os deputados da Assembleia da República aprovaram hoje na votação final global o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), com os votos a favor do PS, e votos contra do PCP, Bloco de Esquerda, Chega, Iniciativa Liberal e PSD e abstenções do Livre e do PAN. Oos três deputados do PSD eleitos pelo círculo eleitoral da Madeira contrariaram a bancada e também se abstiveram.

Os deputados do PSD/Madeira justificaram hoje a sua abstenção na votação do Orçamento de Estado de 2022 por esperarem “boas concretizações” dos assuntos pendentes com a República e um melhor relacionamento institucional.

“A razão maior que nos leva a assumir este sentido de voto, para além da abertura registada, prende-se com o interesse superior da região e do país e pelo facto de termos já garantias de boas concretizações no que respeita a dossiês fundamentais para o futuro da Madeira, como é o caso da Zona Franca”, disse o deputado social-democrata madeirense Sérgio Marques à agência Lusa.

Na mesma linha, o presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, considerou hoje que o relacionamento institucional com o Governo da República entrou num “novo ciclo”, considerando haver “toda a disponibilidade” por parte de António Costa para resolver as questões pendentes com a região autónoma.

Questionado pelos jornalistas sobre este voto contrário dos deputados Sérgio Marques, Sara Costa e Cláudia Dantas à restante bancada laranja, o líder parlamentar do PSD na Assembleia da República, Paulo Mota Pinto, disse ter sido avisado desse sentido de voto “um pouco antes” do resultado final, mas que “não esperava, sinceramente.”

O parlamentar afirmou que irá limitar-se a cumprir os seus “deveres funcionais”, isto é, “comunicar aos órgãos do PSD, designadamente ao órgão jurisdicional, embora eu pense que provavelmente já só será decidido pelos órgãos eleitos pelo próximo Congresso”, afirmou.

Mota Pinto não quis comentar sobre o facto de o líder do PSD-Madeira, Miguel Albuquerque, ser mandatário de um dos candidatos à liderança, Luís Montenegro, poder ter influenciado esta decisão dos deputados da Madeira, dizendo apenas que quer manter a neutralidade na campanha interna do PSD.

 

Relacionadas

Parlamento dá ‘luz verde’ ao Orçamento do Estado para 2022

O Orçamento do Estado para 2022 foi aprovado esta sexta-feira, sendo que esse resultado já estava garantido, uma vez que o PS conta hoje com a maioria absoluta no Parlamento. PAN, Livre e PSD Madeira abstiveram-se.

Presidente do Governo da Madeira diz que relacionamento com a República está “num novo ciclo”

 O chefe do executivo madeirense de coligação PSD/CDS-PP sublinhou que esta postura do Governo socialista “vai permitir a resolução dos dossiês da Madeira pendentes”, já que “há realmente disponibilidade do primeiro-ministro, António Costa, o que é muito positivo para a região”.

OE2022. PSD diz que Orçamento “não serve Portugal nem os portugueses”

Para o PSD o Orçamento “não considera o contexto de inflação que o próprio Governo reconhece que existe noutros diplomas que já mandou publicar”.
Recomendadas

Companhia aérea espanhola Binter inaugura três novas rotas a partir da Madeira

A companhia aérea espanhola Binter inaugura este fim de semana um programa especial de verão na Madeira, realizando duas novas ligações diretas às Canárias e uma a Marrocos

Funchal: Coligação Confiança lamenta chumbo da proposta para estender manuais escolares gratuitos ao secundário

O Vereador Miguel Silva Gouveia destaca que com esta reprovação da proposta da Confiança, os estudantes do ensino secundário do Funchal não terão acesso a manuais escolares gratuitos no próximo ano letivo 2022/2023, nem sabem quando é que esse direito, que já é uma realidade a nível nacional, se cumprirá na Madeira.

Deco diz que a crise é uma realidade e os consumidores enfrentam cada vez mais dificuldades

A atuação da Deco passa pela análise da situação específica do consumidor com dificuldades financeiras ou endividado e pelo contacto com as entidades credoras com o objetivo de efetuar uma reestruturação dos contratos de crédito/dívidas e encontrar formas que permitam ao consumidor cumprir com as suas obrigações.
Comentários