OE2022. Pagamentos em atraso sobem para 835,2 milhões até junho

Os pagamentos em atraso das entidades públicas fixaram-se em 835,2 milhões de euros no final de junho, um aumento de 2,4 milhões de euros face ao período homólogo, de acordo com a síntese de execução orçamental.

Os pagamentos em atraso das entidades públicas fixaram-se em 835,2 milhões de euros no final de junho, um aumento de 2,4 milhões de euros face ao período homólogo, de acordo com a síntese de execução orçamental.

“No final de junho os pagamentos em atraso das entidades públicas ascenderam a 835,2 milhões de euros, o que representa um aumento de 2,4 milhões de euros relativamente ao período homólogo e um aumento de 135,6 milhões de euros face ao final do mês anterior”, informa a Síntese da Execução Orçamental hoje divulgada pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

Segundo a síntese, para a evolução homóloga contribuíram, sobretudo, o aumento registado nos Hospitais EPE, que representaram 7,1 milhões de euros, nas Empresas Públicas Reclassificadas, que representaram 4,8 milhões de euros, atenuado pela diminuição na Administração Regional (-11,7 milhões de euros).

Já a variação mensal foi, sobretudo, impactada pelos Hospitais EPE, com um aumento de 137,6 milhões de euros.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

FBI realiza buscas na propriedade de Donald Trump em Mar-a-Lago, nos EUA; Rússia aponta as sanções dos EUA como motivo para não receber inspeções ao seu arsenal nuclear; governo espanhol vai levar ao tribunal constitucional as regiões autónomas que incumpram acordo de redução de consumo energético

Exportações de bens aumentaram 37,1% e importações 41,6% em junho

Em termos homólogos, as variações resultaram num aumento do défice da balança comercial na ordem dos 903 milhões de euros, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística.
Comentários