OE2023: Associações de militares e de polícias reivindicam “justiça salarial”

Associações representativas de militares das Forças Armadas e profissionais das forças de segurança vão reunir-se na sexta-feira para debater o Orçamento do Estado para 2023 e “ponderar ações a tomar”, foi hoje anunciado.

“Retomando trabalhos conjuntos com o intuito de dar corpo e visibilidade à luta travada, desde há muito tempo, por diversas associações e sindicatos de profissionais das Forças de Segurança e de militares das Forças Armadas, os dirigentes de algumas destas estruturas decidiram promover uma reunião conjunta para balanço da situação e ponderar ações a tomar, quando está em discussão o OE2023”, lê-se numa nota hoje divulgada.

A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP), a Associação Nacional de Sargentos (ANS), a Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), a Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) e a Associação de Praças (AP) são as estruturas que se vão reunir na sexta-feira.

Estas associações defendem que “embora existam anúncios públicos por parte do Governo relativamente à matéria, o facto é que os cidadãos que estas estruturas representam pugnam por uma efetiva “justiça salarial”.

Os dirigentes representantes de militares das Forças Armadas e de profissionais das forças de Segurança “mantêm total disponibilidade para lutar, unidos e determinados pelos mesmos objetivos”.

O Orçamento do Estado para 2023 foi aprovado no passado dia 27 de outubro pela maioria do PS, está a ser debatido na especialidade e tem votação final global agendada para 25 de novembro.

Recomendadas

Rampa Digital dá consultoria às empresas sobre negócios no online

Associação .PT, gestora do domínio web português, quis estar perto das empresas que estão em processo de internacionalização.

Talento, burocracia e critérios ESG no leque dos desafios para 2023

Ultrapassada a pandemia, o horizonte alarga-se, mas desafios há sempre. O ano novo está à porta e há, pelo menos, um que vai dar água pela barba: como captar e reter as melhores pessoas nas empresas. Por Almerinda Romeira

Desobediência civil. China enfrenta protestos por medidas anti-Covid

Conta a agência Reuters que os protestos na China estão a intensificar-se e que nunca se viu nada assim desde que Xi Jinping assumiu o poder (há uma década), numa altura em que Pequim enfrenta o pior surto desde o início da pandemia com o encerramento de escolas e muitos trabalhadores em teletrabalho.
Comentários