OE2023: CFP diz que portugueses devem estar preocupados com venda da TAP

A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP), Nazaré Costa Cabral, disse hoje que os portugueses devem estar preocupados com a venda da TAP e com os impactos que a operação vai ter nos contribuintes.

Nazaré da Costa Cabral, presidente do Conselho de Finanças Públicas | Cristina Bernardo

A questão da TAP foi referida pela presidente do CFP em resposta aos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças, onde esteve a ser ouvida no âmbito da discussão na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2023 (OE2023).

“Não sabemos detalhes do que é que se pretende fazer quer na conclusão do processo de reestruturação da TAP, nem em termos de privatização da empresa, mas é evidente que a situação da TAP nos preocupa”, começou por afirmar Nazaré Costa Cabral.

Segundo realçou, a TAP “é uma empresa dita de bandeira” e a questão que neste momento se coloca “é de saber como é que a empresa vai ser vendida, por que preço, em que condições e a quem”.

“Penso que são questões que devem começar a preocupar os portugueses, porque a empresa tem um passivo muito grande, é uma empresa que tem dívida financeira e, aliás, alguma dela vai se vencer no próximo ano, portanto é importante ver em que condições essa venda se vai materializar e os impactos que isso possa vir a ter para os contribuintes e para os portugueses”, disse Nazaré Costa Cabral.

Questionada sobre o Novo Banco, a presidente do CFP referiu que “há um remanescente do mecanismo de capitalização contingente que ainda pode ser usado, mas é evidente que isso será em função do que seja a situação financeira do banco”.

Nazaré Costa Cabral disse não ter, no entanto, informação “de que esse mecanismo volte a ser acionado, muito menos de que o mecanismo adicional possa ser acionado”.

Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.
Comentários