OE2023: Chega diz que este é “o orçamento do grande falhanço socialista”

O presidente do Chega considerou hoje que o Orçamento do Estado para o próximo ano representa o “grande falhanço socialista” e considerou que não ter sido aprovada nenhuma proposta do seu partido revela que “é a única oposição”.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

“Este é também o orçamento do grande falhanço socialista, o mesmo Governo que não teve coragem, no momento mais difícil da vida de Portugal, de baixar o IVA da eletricidade de forma verdadeiramente objetiva e abrangente”, criticou André Ventura, apontando que “a poupança que o Governo gerará às famílias” é de “um euro numa fatura de 100 euros”.

Falando no encerramento do debate parlamento sobre o Orçamento do Estado para o próximo ano, o líder do Chega assinalou que, apesar de o Governo ter dito que seria “dialogante e sem o rolo compressor da maioria absoluta”, o PS rejeitou as propostas de alteração ao documento que o seu partido apresentou.

“Ainda bem, porque nós somos a única oposição que têm neste parlamento”, afirmou.

Considerando que o Governo está “fragilizado” pelos “sucessivos casos” que envolveram governantes, Ventura apontou que hoje, quando se assinala o 25 de Novembro, “é um bom dia para iniciar o combate final contra um Governo que durante anos foi dominado pela extrema-esquerda, encontrou agora dois novos apêndices no Livre e no PAN e continua o seu percurso de destruição de Portugal”.

E desafiou os seus “companheiros” à direita para serem “capazes de construir a maioria que vai ser capaz de derrubar António Costa nas próximas eleições”.

Recomendadas

Turismo de Lisboa espera recuperação na quadra natalícia para níveis próximos de 2019

O turismo da região de Lisboa deverá recuperar na quadra natalícia deste ano, em comparação com 2021, aproximando-se dos números registados antes da pandemia de covid-19, segundo o diretor-geral do Turismo de Lisboa, Vítor Costa.

Patrões portugueses gastam menos com cada trabalhador do que a média europeia

É no Luxemburgo que os patrões pagam mais aos seus trabalhadores por hora trabalhada e na Bulgária onde pagam menos. Portugal está vários lugares acima deste último Estado-membro, mas bem abaixo da média comunitária, revela o Eurostat.

Apenas 33% das empresas portuguesas inicia ações de cobrança quando a fatura está vencida

66% das empresas portuguesas não inicia ações de cobrança com o vencimento de uma fatura. Ou seja, apenas um terço avança para a cobrança quando a fatura está vencida, conclui estudo da Crédito y Caución, empresa de seguros de crédito, e da consultora Iberinform.
Comentários