OE2023: Iniciativa Liberal vai insistir no desagravamento de vários impostos

O líder da Iniciativa Liberal (IL) disse hoje, em Coimbra, que o partido vai apresentar cerca de uma dúzia de propostas de alteração ao Orçamento de Estado para 2023, que visam o desagravamento de vários impostos.

Presidente do Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim Figueiredo | Foto: Cristina Bernardo

No encerramento das Jornadas Parlamentares, João Cotrim Figueiredo anunciou que os liberais vão apresentar propostas de âmbito fiscal e continuar a insistir na taxa única do Imposto sobre Rendimentos Singulares (IRS).

“Ao nível fiscal, vai também haver proposta de eliminação da dupla tributação, redução de taxas, simplificação de procedimentos, principalmente dos que vivem do rendimento do trabalho, e, desta vez, vamos dar particular atenção a situações que ficam sempre nas franjas, como são o caso dos trabalhadores com profissões liberais”, antecipou o deputado.

Para o presidente da IL, a intenção de apresentar apenas cerca de uma dúzia de propostas de alteração ao documento que o Governo vai apresentar na Assembleia da República na próxima semana pretende marcar uma postura de que se é “para ser alternativa, vamos por na mesa aquilo que é verdadeiramente alternativo, disruptivo e liberal”.

“Esta postura vai estender-se para lá do orçamento e, ao longo das próximas sessões legislativas, o partido vai apresentar um conjunto de reformas profundas, que chamo de corajosas, que darão corpo à visão que temos de um Portugal mais próspero e mais desenvolvido”, revelou.

Segundo João Cotrim Figueiredo, a IL vai apresentar iniciativas para uma reforma do sistema de saúde, consubstanciada numa nova proposta de lei de bases e outras peças legislativas, que introduzam a liberdade de escolha dos doentes relativamente ao prestador dos cuidados de saúde a que querem recorrer e concorrência entre prestadores do setor social, público e privado.

“Isto é essencial para acabar de uma vez por todas com um sistema exclusivamente baseado no Serviço Nacional de Saúde (SNS), que está em colapso e faz com que aqueles que não têm alternativa de recorrer a outros prestadores, privados ou sociais, possam ver garantido o acesso universal, não às listas de espera, mas a um efetivo cuidado de saúde”, frisou.

O líder do partido liberal anunciou ainda que vai apresentar uma reforma do sistema educativo, com iniciativas que vão cobrir todos os ciclos de ensino, começando “por garantir o acesso universal a creches e ensino pré-escolar, incluindo evidentemente as ofertas do sistema privado e cooperativo”.

Nesta área, João Cotrim Figueiredo voltou a defender a autonomia das escolas do ensino obrigatório “aos mais variados níveis”, desde recrutamento de docentes, autonomia nos sistemas e mecanismos de avaliação, sejam de alunos, professores e das próprias escolas, liberdade de escolha de famílias e alunos quanto à escola que pretendem frequentar, seja através de modelos de contratualização ou modelos de financiamento ou até mistos”.

“Está na hora de o futuro dos nossos jovens deixar de ser determinado, em larga medida, pelo código postal da sua residência”, enfatizou o presidente da IL, acrescentando que nesta proposta de reforma do sistema educativo será incluído a reformulação do ensino técnico-profissional, “um parente pobre” que deve ter um “papel importante” a desempenhar no futuro.

O deputado liberal anunciou ainda a preparação de iniciativas visando a reforma do sistema de segurança social, que apresenta atualmente um regime de pensões “que tal como existe não é sustentável”, e uma “grande reforma” da administração pública”.

“Estamos a assumir propostas de reforma profundas e corajosa, porque é possível fazer diferente e melhor e nenhuma das coisas que vamos apresentar são coisas inventadas em Portugal de repetente, mas sim adaptações de coisas que já funcionaram noutros sítios”, sublinhou João Cotrim Figueiredo.

Recomendadas

Covid-19: Pandemia provocou mais 300 mil mortes na UE do que as oficiais, diz OCDE

“No final de outubro de 2022, mais de 1,1 milhões de mortes de covid-19 foram reportadas em todos os 27 países da UE, mas os dados sobre o excesso de mortalidade sugerem que se trata de uma subestimativa e que mais 300 mil pessoas morreram devido ao efeito direto ou indireto da pandemia”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE).

Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.

Covid-19: Várias cidades da China relaxam medidas de prevenção epidémica

Várias cidades chinesas estão a abolir algumas medidas de prevenção contra a Covid-19, sinalizando o fim gradual da estratégia ‘zero casos’, que manteve o país isolado durante quase três anos e afetou a economia.
Comentários