OE2023: Mesa Nacional do BE discute no sábado voto em documento criticado pelo partido

No final desta reunião do órgão máximo do partido entre convenções, que decorre em Lisboa, a coordenadora do BE, Catarina Martins, fará a habitual conferência de imprensa para apresentar as conclusões.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa para apresentação do programa eleitoral às eleições legislativas, na sede nacional do partido, em Lisboa, 21 de dezembro de 2021. MÁRIO CRUZ/LUSA

A Mesa Nacional do BE reúne-se sábado para discutir o voto final no Orçamento do Estado para 2023 (OE2023), documento que os bloquistas consideram de “empobrecimento” e que já tinha merecido o voto contra na generalidade.

No final desta reunião do órgão máximo do partido entre convenções, que decorre em Lisboa, a coordenadora do BE, Catarina Martins, fará a habitual conferência de imprensa para apresentar as conclusões.

Fonte oficial do partido adiantou à agência Lusa que será discutido nesta Mesa Nacional “a situação política, a resposta a um Orçamento de empobrecimento e o voto do Bloco de Esquerda” na votação final global do OE2023, marcada para a próxima semana.

“São conhecidas as críticas do Bloco de Esquerda à forma como o Governo, recusando responder à perda de poder de compra, vê a inflação como oportunidade para ajustar os rendimentos do trabalho. A proposta do Orçamento não responde à inflação, não protege os rendimentos de quem trabalha e não inclui sequer o conjunto de intenções que o governo foi anunciando”, critica a mesma fonte oficial.

Na votação na generalidade, o BE voltou a votar contra o documento apresentado pelo Governo do PS.

Estas opções orçamentais que têm sido muito criticadas pelos bloquistas, tendo o partido apresentado cerca de 150 propostas de alteração ao documento que vão ser agora votadas na especialidade.

Na semana passada, Catarina Martins acusou o Governo de não querer falar sobre o orçamento.

“Não quer falar do Orçamento do Estado e percebemos porquê (…) A perda real dos salários médios, neste momento, compara-se aos tempos da ‘troika’ é por isso que o Partido Socialista não quer falar do Orçamento, porque no Orçamento não tem nenhuma medida para evitar o empobrecimento de quem trabalha, muito pelo contrário”, disse Catarina Martins, no Porto, na 1.ª Gala Anticlimática.

Após uma reunião a pedido do Governo ainda antes da discussão e votação na generalidade, em outubro, o BE, pela voz do líder parlamentar, recusou contribuir para o “simulacro de negociações” que considerou ter sido esse encontro com o executivo sobre o Orçamento do Estado, um documento que considerou então que mais parecia ter sido “feito pela direita”.

Recomendadas

2022, ano de esperança: “recuperação criativa e comercial”

O que procura o consumidor num relógio? “Atualmente os clientes compram um relógio pela beleza da peça. Usam-no como uma joia e não como uma ferramenta”, diz Carlos Rosillo, CEO da Bell & Ross.

“Vamos manter a nossa presença no mercado e surpreender!”

A coleção de Natal que Eugénio Campos nos traz este ano é “acima de tudo, uma coleção com muita criatividade, inspirada na família e no sentimento, e pensada para que seja uma coleção de gerações”, garante o seu criador.

Joalharia, tradição, singularidade e mestria artesanal

As joias, testemunhos de ligação entre gerações, devem ser um legado de arte, de memórias e de valores. Fique a par das novidades de uma indústria pioneira na sustentabilidade.
Comentários