OE2023: Marcelo diz que previsões são melhores do que esperava mas não são “maquilhagem política”

O Presidente da República afirmou hoje que as previsões económicas do Governo para 2023 são melhores do que esperava, mas considerou que não são “um exercício de maquilhagem política”, embora admitindo que posam falhar.

TIAGO PETINGA/LUSA

“O Governo pode enganar-se, mas não altera de propósito os dados porque isso cairia em cima dele daqui por três ou quatro meses”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, questionado pelos jornalistas no final de uma reunião bilateral com o Presidente da República de Malta, George Vella, em La Valletta.

Segundo o jornal Público, o Governo, para o próximo ano, projeta um crescimento de 1,3%, um défice de 0,9% e uma inflação de 4%, assistindo-se também a uma redução da dívida para 110,8% do Produto Interno Bruto (PIB).

“Para mim é evidente que o Governo e o Banco de Portugal, ao fazerem estas previsões, tentam jogar pelo seguro, não é um exercício de maquilhagem política, se fosse era suicida”, considerou.

O chefe de Estado considerou realistas as previsões económicas para este ano, mas admitiu que para 2023 o valor previsto pela inflação pode ser questionável.

“Se for possível, não é o El Dorado, mas é melhor do que muitos pensavam, do que eu próprio pensava. Se não for possível, é porque a situação internacional se manteve muito grave ou se complicou”, disse.

Recomendadas

Ucrânia: Angola admite impacto no aumento dos preços dos bens alimentares

Segundo o secretário de Estado do Planeamento angolano, Milton Reis, Angola apesar de ser um exportador líquido das “commodities” energéticas “não está imune aos efeitos deste conflito”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Cem milhões de euros para projetos de áreas prioritárias da região Centro

“Trata-se de 143 novos projetos, que representam uma comparticipação de fundos europeus de 89 milhões de euros, a que se junta o reforço de financiamento de 40 projetos já anteriormente aprovadas num montante de 11 milhões de euros”, explicou a CCDRC, em comunicado enviado à agência Lusa.
Comentários