OE2023: Se previsões do Governo se confirmarem, tensão social será menor, diz Presidente da República

Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que as previsões do Governo são melhores do que o próprio e “porventura do que esperavam muitos portugueses, dentro do clima de crise geral” que Portugal está atualmente a viver.

O Presidente da República considerou hoje que, se as previsões económicas do Governo se concretizarem, não existirá o nível de tensão social esperado, e previu que até janeiro se saberá se o executivo “acertou em cheio” ou não.

“Se o cenário [económico] não for tão mau quanto muitos previam e puder ser uma subida progressiva da economia e uma aterragem da inflação, aí penso que as consequências sociais – que inevitavelmente haverá sempre, na vida de toda a gente – não terão a conflitualidade e a tensão que teriam de outra maneira”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa em Nicósia, pouco depois de ter chegado a Chipre, onde irá iniciar uma visita oficial no sábado.

Segundo o jornal Público, o Governo, para o próximo ano, projeta um crescimento de 1,3%, um défice de 0,9% e uma inflação de 4%, assistindo-se também a uma redução da dívida para 110,8% do Produto Interno Bruto (PIB).

Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que as previsões do Governo são melhores do que o próprio e “porventura do que esperavam muitos portugueses, dentro do clima de crise geral” que Portugal está atualmente a viver.

“Se o cenário macroeconómico fosse aquele que eu admiti que pudesse vir a ser, isto é com um produto a não crescer, ou até a decrescer, com um problema complicado de emprego, e com um problema complicado de inflação – continuar ou acelerar a subida de preços – eu penso que aí, a tensão social podia subir, como noutros países tenderá a subir”, referiu.

Segundo o Presidente da República, “novembro, dezembro, janeiro, serão uma espécie de barómetro” que permitirá ver “em qual das duas direções é que vai seguir a economia e vai seguir o nível de preços”.

“Quando chegarmos a fevereiro ou março, já teremos uma noção exata se o cenário macroeconómico [do Governo] aceitou em cheio, ou não acertou porquê? O que é que se passou, melhor ou pior, na vida económica e no nível de preços?”, disse.

Marcelo Rebelo de Sousa considerou que o número da inflação previsto pelo Governo para 2023 “é possível”, mas a sua evolução irá depender da resolução do conflito na Ucrânia, “se houver fórmulas alternativas para a energia em muitos países” e se “houver recuperação económica nesses países europeus”.

Questionado se, caso o Governo tenha de acertar as suas previsões, será necessário apresentar um orçamento retificativo, Marcelo respondeu: “Não, isso implica fazer a avaliação que for necessária na altura. A cada momento há medidas pontuais que podem ser tomadas se for necessário”.

Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que irá continuar a “fazer alertas”, assinalando que a sua função “não é estar a fazer previsões otimistas, é alertar para a eventualidade de o otimismo poder verificar-se ou não”.

“Eu sempre na vida tive o princípio que é, realmente, ter expectativas baixas: depois, é boa notícia. Quem tem as expectativas muito altas, pode ser boa notícia ou não ser boa notícia. Portanto, vamos esperar para ver. Eu devo dizer que fiquei contente [com as previsões]”, referiu.

Recomendadas

Plataforma da A23 e A25 indignada com ausência da abolição de portagens no OE2023

Em comunicado, a plataforma salientou que “foi sem surpresa, mas com indignação”, que confirmou que “o Governo e o partido (PS) que o suporta na Assembleia da República aprovaram o Orçamento do Estado para 2023, sem nele incluírem a suspensão ou abolição das portagens nas Scut da Beira Interior (A23, A24 e A25)”.

“Orçamento da Saúde para o próximo ano poderá não ser suficiente”, alerta Correia de Campos

O antigo presidente do Conselho Económico e Social destaca o aumento de 2,7% do orçamento para a Saúde para 2023 mas adverte que o mesmo não vai ser suficiente tendo em conta que não acompanha “nem a inflação, nem a manutenção do equipamento, nem o reforço salarial necessário”

OE2023: Orçamento tem de ser “elástico para permitir vários cenários”

O Presidente da República considerou que o Orçamento do Estado tem de ser “elástico” e disse que “é preciso ir reajustando” a sua aplicação, face “às incógnitas” em relação ao futuro.
Comentários