Oeiras cria fundo para ajudar comerciantes a recuperar dos estragos do mau-tempo

A Câmara de Oeiras vai criar um fundo, cujo valor será ainda determinado, para apoiar os comerciantes na sequência dos estragos provocados pelo mau tempo, adiantou hoje o presidente, acrescentando que a avaliação dos danos será feita na sexta-feira.

Em comunicado, o presidente daquela câmara no distrito de Lisboa, Isaltino Morais, anunciou que vai constituir um fundo, “de acordo com a capacidade financeira municipal”, para ajudar os comerciantes a recuperarem as suas atividades, “independentemente de eventuais apoios que o Governo venha a considerar atribuir”.

O montante do fundo será em “função do prejuízo”, resultante dos estragos provocados pelo mau tempo da noite de quarta-feira, e será “determinado após a avaliação dos prejuízos no terreno”.

Isaltino Morais adiantou que durante a manhã de sexta-feira serão destacadas equipas que contactarão “comerciante a comerciante” para “avaliar os prejuízos de cada um”.

No documento, o autarca eleito pelo movimento de cidadãos IN-OV salienta que “há mais de quatro décadas que não havia uma tal concentração de precipitação, num intervalo tão curto, em Oeiras” e que os serviços envolvidos na ocorrência “comportaram-se de acordo com o planeado ao nível da Proteção Civil municipal”.

Também em comunicado, o movimento Evoluir Oeiras lamenta a morte da cidadã, moradora em Algés, na sequência das inundações, bem como as perdas materiais provocadas pelas cheias que ocorreram em várias habitações e estabelecimentos comerciais.

Realçando que o município e a Proteção Civil municipal “necessitam de outro tipo de resposta” para estes fenómenos extremos, nomeadamente, na evacuação de fogos em zonas vulneráveis ou colocação de barreiras para proteger a entrada de água”, o movimento defende a necessidade de serem criadas “medidas preventivas de adaptação”.

“O ordenamento do território é um elemento-chave na adaptação às alterações climáticas”, observa o movimento, acusando o executivo liderado por Isaltino Morais de “ignorar sistematicamente” as suas propostas e “reiteradamente agravado o problema com planos, loteamento e alvarás” em zonas que exigem “uma política prudente na gestão dos recursos”.

“As pessoas do concelho de Oeiras, sobretudo de Algés e de Tercena, onde a situação é urgente e já se verificaram vítimas, merecem uma resposta rápida e decisiva para que esta situação não se volte a repetir com esta gravidade”, acrescenta.

Recomendadas

Dinamarquesa Eurowind Energy investe mais de 400 milhões de euros em Portugal

A multinacional dinamarquesa Eurowind Energy, que inaugurou esta terça-feira o segundo parque solar de produção de eletricidade do país, quer investir até ao fim desta década mais de 400 milhões de euros em Portugal.

Oito empresas portuguesas no index de igualdade de género da Bloomberg

Em análise estiveram cinco aspetos, desde a capacidade de liderança de talentos até às medidas contra o assédio sexual em ambiente profissional.

EBA lança teste de stress de 2023 para a banca e usa o mais severo de sempre dos cenários adversos

O teste de stress a nível da UE será conduzido numa amostra muito maior em comparação com anos anteriores, abrangendo 70 bancos da UE e 75% do total dos activos bancários na UE. Em termos de queda do PIB, o cenário adverso de 2023 é o mais severo utilizado até à data em toda a UE nos testes da banca.
Comentários