Office 365. Microsoft quer crescer mais de 50%

A Microsoft anunciou esta terça-feira a disponibilidade, a nível mundial, da mais recente versão das suas ferramentas de produtividade. O Office 2016, que pretende facilitar o desempenho das equipas, começa hoje a ser disponibilizado gratuitamente aos utilizadores do Office 365, o serviço de subscrição da Microsoft baseado na cloud. Para os utilizadores das licenças tradicionais, […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Microsoft anunciou esta terça-feira a disponibilidade, a nível mundial, da mais recente versão das suas ferramentas de produtividade. O Office 2016, que pretende facilitar o desempenho das equipas, começa hoje a ser disponibilizado gratuitamente aos utilizadores do Office 365, o serviço de subscrição da Microsoft baseado na cloud. Para os utilizadores das licenças tradicionais, a suite começa a ser comercializada no dia 2 de outubro.

A mais recente versão do conhecido pacote de produtividade Office foi desenhada “para colaborar”, “simplificar a forma de trabalhar”, funcionar “na perfeição com o Windows 10” e é ainda “mais segura” disse Alberto Silva, diretor da Unidade de Negócio de Produtividade da Microsoft Portugal (na foto), ao explicar as propostas de valor da solução em conferência de imprensa. Existem igualmente versões para iOS, o sistema utilizado em computadores, smartphones e tablets da Apple.

Com as novas aplicações, a Microsoft pretende reforçar o crescimento do Office 365 que deverá aumentar 50% em 2016 face a 2015. Já este ano, a Microsoft espera contar com uma base instalada de 320 mil utilizadores empresariais e 60 mil subscritores nas versões de consumo, num total de 380 mil licenças. Ainda em 2015, a Microsoft Portugal acredita que o Office 365 poderá crescer 65% em relação ao ano anterior, tanto no segmento empresarial como no de consumo. No setor empresarial, a utilização do Office 365 deverá aumentar 60%, com 3500 empresas a utilizarem o Office 365. No caso do consumo, o incremento deverá ser de 100% com mais de 60 mil subscritores ativos de Office 365 Casa e Pessoal.

Aposta na educação

A Microsoft refere ainda que no segmento da educação mais de 600 mil estudantes podem usufruir do Office 365, disponibilizado gratuitamente pela Microsoft. Vânia Neto, responsável pela área de educação na Microsoft Portugal, disse ao OJE, à margem da conferência, que a solução está disponível através da Rede Universidades e que está a ser oferecida aos alunos do primeiro ano integrado no “kit caloiro”.

A fabricante de software em Portugal firmou também um protocolo “único a nível mundial”, segundo Vânia Neto, com o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) através do qual a ferramenta é disponibiliza gratuitamente todos os desempregados a fazer formação nestes centros. Através deste protocolo, o Office 365 poderá chegar a 250 mil desempregados. Vânia Neto acrescenta que, após a situação de desemprego, “os utilizadores mantém a licença por mais seis meses”.

O Office 2016 é gratuito para os utilizadores do serviço de subscrição Office 365 que, no caso do consumo, pagam anualmente 69,90 euros. A versão de subscrição empresarial varia entre os 4,20 euros e os 18 euros/mês, disse Alberto Silva ao OJE.

As novas aplicações estarão disponíveis no formato tradicional (licenças perpétuas) a partir de 2 de outubro.

Nilton é a cara e a voz da campanha de rádio e digital das soluções Office 365 da Microsoft.

Tome nota das novas funcionalidades do Office 2016.

Mafalda Simões Monteiro/OJE

Recomendadas

Amazon planeia gastar 95 milhões de euros por ano em publicidade no Twitter

Este valor faz parte da estratégia da retalhista online no regresso à publicidade na rede social agora liderada por Elon Musk, mas está ainda dependente de alguns “ajustes de segurança” na plataforma de anúncios do Twitter.

Comércio online representou 22% de todo o comércio na Black Friday

As compras por MB Way dispararam face a 2019, com uma subida de 1.730%, de acordo com os dados divulgados pelo Forward Payment Solutions (SIBS).

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.