Oficial: Pela primeira vez em democracia, Governo projecta excedente orçamental de 0,2% para o ano

No cenário macroeconómico da proposta do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), entregue esta segunda-feira no Parlamento, o Executivo mantém o défice de 0,1% para este ano.

O Governo melhorou a projeção do saldo orçamental para o próximo ano face à meta inscrita no esboço orçamental enviada para Bruxelas em outubro. No cenário macroeconómico da proposta do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), entregue esta segunda-feira no Parlamento, o Executivo inscreveu um excedente de 0,2% no próximo ano.

O ministério das Finanças confirma ainda a projeção de défice de 0,1% inscrita no esboço orçamental enviado à Comissão Europeia, em outubro. Neste documento previa, no entanto, défice nulo em 2020.

A meta orçamental para o próximo ano já tinha sido divulgada pelos partidos à esquerda do PS durante as negociações para o OE2020 e confirmada pelo secretário de Estados dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro.

A Comissão Europeia e a OCDE projectam défice nulo para o próximo ano, sendo o Conselho de Finanças Públicas a instituição mais otimista ao projeta um excedente de 0,3%, enquanto o FMI de 0,1%. Já no cenário macroeconómico para 2019, a Comissão Europeia e a OCDE alinham projeções de défice de 0,1%, enquanto o FMI com uma visão mais conservadora de 0,2%, sendo o CFP a única instituição que considera ser possível um excedente já este ano.

O início da discussão orçamental terá lugar a 6 de janeiro, com audições na Comissão de Orçamento e Finanças dos ministros das Finanças, Mário Centeno, e da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. Após a discussão e votação na generalidade, entre 13 e 27 de janeiro, terá lugar a discussão e votação na especialidade, para a qual foram adiados vários temas, a decorrer entre 3 e 5 de fevereiro. A discussão e votação final terá lugar a 6 de fevereiro, com o objetivo que o documento chegue às mãos de Marcelo Rebelo de Sousa até ao dia 24 de fevereiro.

[Em atualização]

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários