Oi enviou à administração da PT SGPS posição sobre PT Portugal

O Conselho de Administração da PT SGPS recebeu informação da operadora Oi sobre a sua posição relativamente à eventual venda da PT Portugal e sobre a consolidação das telecomunicações no Brasil, disse à Lusa fonte oficial. A operadora brasileira Oi enviou à PT SGPS a sua posição sobre “a eventual venda da PT Portugal” e […]

O Conselho de Administração da PT SGPS recebeu informação da operadora Oi sobre a sua posição relativamente à eventual venda da PT Portugal e sobre a consolidação das telecomunicações no Brasil, disse à Lusa fonte oficial.

A operadora brasileira Oi enviou à PT SGPS a sua posição sobre “a eventual venda da PT Portugal” e relativamente “à consolidação do setor das telecomunicações no Brasil”, afirmou a fonte.

A PT Portugal, que tem o Meo e o Sapo, entre outros, e é detida pela Oi, está a ser alvo de ofertas de compra.

O grupo francês Altice está a oferecer 7.025 milhões de euros, enquanto o fundo britânico Apax Partners, em conjunto com o norte-americano Bain Capital, apresentaram uma proposta avaliada em mais 50 milhões de euros (7.075 milhões de euros) sobre os mesmos ativos.

A PT SGPS detém 25% da Oi e tem direito de veto sobre as decisões estratégicas da operadora brasileira.

O Conselho de Administração da PT SGPS ainda aguarda “informações concretas” sobre as ofertas feitas sobre a PT Portugal, acrescentou a fonte.

Por outro lado, a PT SGPS está a ser alvo de uma oferta de compra por parte da Terra Peregrin, da empresária angolana Isabel dos Santos, que propõe cerca de 1,21 mil milhões de euros pela totalidade das ações da empresa portuguesa, ao preço de 1,35 euros por cada título.

OJE/Lusa

Recomendadas

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.

Governos podem precisar de taxar empresas de energia para ajudar os mais pobres, diz CEO da Shell

O presidente executivo da Shell considera que o mais importante é “proteger os mais pobres” e como tal os governos podem vir a precisar de taxar empresas de energia. “Há uma discussão a ser feita sobre isso, mas acho que é inevitável” a necessidade de intervenção, considerou.
Deloitte

Confiança das empresas na política fiscal do Governo desceu para mínimos de 2014, revela Deloitte

O estudo da Deloitte conclui “que uma maioria crescente dos empresários portugueses consideram o sistema fiscal complexo e ineficaz”. Sobre a competitividade e atratividade da economia portuguesa, os inquiridos elegem, como áreas de mudança mais importantes para a captação de investimento, a legislação laboral (48%) e a simplificação da burocracia em geral (47%).