Oi pede mais tempo para reestruturação da dívida

Há pouco mais de três anos, a empresa brasileira anunciou o início de um processo de recuperação judicial para reestruturação da dívida de aproximadamente 65 mil milhões de reais (cerca de 14,6 mil milhões de euros).

Oi Brasil

A empresa de telecomunicações brasileira Oi, cuja parte do capital é detida pela portuguesa Pharol, pediu mais tempo para concretizar o seu plano de reestruturação da dívida no âmbito do processo de recuperação judicial que está sujeita no Brasil, foi comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) no domingo à noite.

De acordo com a informação prestada ao mercado pela Pharol, que detém 5,51% do capital social da Oi através da Bratel, a telecom brasileira requereu à supervisão judicial das empresas do grupo que o processo de recuperação judicial não seja encerrado a 4 de fevereiro de 2020, tal como previsto – “data em que a homologação do Plano de Recuperação Judicial completa dois anos”.

“A medida de não-encerramento da supervisão judicial não traz mudanças para a situação atual das empresas Oi e não tem impacto quanto ao cumprimento do Plano de recuperação judicial em vigor, nem em relação a créditos correntes e sobre eventuais novos recursos que vierem a ser acedidos pelas empresas Oi”, pode ler-se no comunicado da Oi à Comissão de Valores Mobiliários, entidade reguladora do mercado bolsista brasileiro, agora dado a conhecer pela Pharol à CMVM.

A Oi argumenta que  a decisão de prorrogar o tempo do processo de recuperação judicial “é uma medida natural que tem sido aplicada na maior parte” dos processos desta natureza e que o requerimento apresenta “circunstâncias relacionadas à complexidade inerente à magnitude de seu processo”.

O anúncio do requerimento de prolongamento do prazo do processo de recuperação judicial surge depois de no início de dezembro, a empresa brasileira ter reportado prejuízos de 5.747 milhões de reais (cerca de 1,23 mil milhões de euros) no terceiro trimestre de 2019 – mais de três vezes superior ao registado em igual período de 2018 (acima dos 1.559 milhões de euros).

A Oi está sob um processo judicial de recuperação financeira tendo em conta a elevada dívida contraída. Há pouco mais de três anos, a empresa brasileira anunciou o início de um processo de recuperação judicial para reestruturação da dívida de aproximadamente 65 mil milhões de reais (cerca de 14,6 mil milhões de euros).

Relacionadas
Oi Brasil

Telefónica negoceia acordo com TIM e Claro para comprar ativos da Oi

A Oi, cuja parte do capital é detida pela portuguesa Pharol, está sob um processo judicial de recuperação financeira tendo em conta a elevada dívida da operadora brasileira. Autoridades brasileiras vê com bons olhos a entrada em cena da Telefónica.
Oi Brasil

Telefónica analisa compra parcial da Oi, avaliada em 6 mil milhões

A Oi é detida em cerca de 5% pela Bratel da portuguesa Pharol, ex-PT SGPS, que por sua vez tem como acionista o Novo Banco com ​9,56%. E o BCP tem poder para vender os 9,99% da High Bridge por conta de uma dívida bancária não paga.

Acordo entre a Pharol e a Oi que vale 25 milhões já tem luz verde

Desta forma, conforme determinado no mesmo Acordo, “inicia-se nesta data o prazo para cumprimento da segunda parte das obrigações previstas para ambas as partes, incluindo o pedido de extinção da totalidade dos litígios envolvendo as Partes indicadas no instrumento do Acordo a entrega à Bratel de 33,8 milhões ações da Oi detidas na sua Tesouraria, sendo 32 milhões ações ordinárias e 1,8 milhões ações preferenciais”.
Oi Brasil

Pharol consegue receber da Oi 45 milhões de indemnização mais 30 milhões de garantias

A ação judicial de 2.017 milhões interposta pela Pharol contra a Oi em Portugal forçou a operadora brasileira a um acordo, pois essa ação podia comprometer o aumento de capital em curso. O acordo obriga a Pharol a nomear um representante da Oi para o seu Conselho de Administração neste mandato. O advogado da Pharol diz que este “foi um bom acordo, mas ainda está suspenso sujeito a uma homologação dos tribunais”.

Pharol diz que chegou a acordo com a Oi para encerrar litígios

Quando a Pharol estaria em “contrarrelógio” para renovar o mandato da atual administração, por causa do imbróglio judicial e empresarial com a Oi, a gestora de ativos de telecoms disse ao mercado ter chegado a acordo com a empresa brasileira para encerrar todos os litígios.
Recomendadas

Alliance Healthcare tem um novo CEO

Paulo Clímaco Lilaia é o novo CEO da Alliance Healthcare, anunciou a empresa que  armazena e distribui produtos farmacêuticos, em comunicado.

Unicórnio Feedzai nomeia David Henshall para o conselho de administração

O antigo presidente e CEO da norte-americana Citrix Systems juntou-se à gestão da empresa liderada por Nuno Sebastião, conhecida pela sua plataforma digital de gestão de risco e fraude financeira.

TikTok pode enfrentar multa por proteção de dados de crianças no Reino Unido

A rede social pode enfrentar uma multa de 27 milhões de libras (cerca de 30,03 milhões de euros) por ter alegadamente processado os dados de crianças menores de 13 anos sem o consentimento apropriado dos pais.
Comentários