Oi vai analisar proposta de plano alternativo de recuperação judicial

A empresa brasileira, que tem como acionista de referência a Pharol, refere qie “recebeu um grupo formado por representantes de credores da companhia (Moelis & Copany e FTI Consulting) e um potencial investidor, Orascom TMT Investment, os quais apresentaram um plano alternativo de recuperação judicial”.

A Oi, operadora de telecomunicações brasileira, disse hoje em comunicado, que vai analisar a proposta de um grupo de credores que apresentou à empresa um plano alternativo de recuperação judicial.

Em comunicado ao mercado, a operadora brasileira, diz  que a 16 de dezembro “recebeu um grupo formado por representantes de credores da companhia (Moelis & Copany e FTI Consulting) e um potencial investidor, Orascom TMT Investment, sociedade sediada no Luxemburgo, os quais apresentaram um plano alternativo de recuperação judicial”.

A Oi diz ainda que as suas empresas e subsidiárias “oportuna e cuidadosamente analisarão as sugestões de tal grupo de credores, juntamente com as demais sugestões que surgirem ao longo de encontros com outros credores da companhia”.

A Oi acredita que o resultados destas negociações deverá reflectir uma proposta final de Plano de Recuperação Judicial a ser levado para aprovação em Assembleia.

O processo de recuperação judicial da Oi inclui um total de 65,4 mil milhões de reais (18,52 mil milhões de euros) de dívidas.

A empresa brasileira é detida em 27% pela portuguesa Pharol, antiga PT SGPS.

Recomendadas

Black Friday faz volume de pagamentos com Ifthenpay aumentar 18% em novembro

A Ifthenpay, empresa portuguesa especializada e líder de mercado em pagamentos digitais para empresas, anunciou que registou um crescimento de mais 18% ao longo do mês de novembro na movimentação financeira através dos seus pagamentos digitais (+95,5 milhões de euros), e por comparação com período homólogo do ano anterior.

BPI distribui presentes de Natal a crianças no país

A edição de 2022 deverá mobilizar milhares de pessoas – entre trabalhadores sociais, voluntários, colaboradores e clientes do banco – para realizar os desejos de crianças apoiadas por instituições sociais que lutam contra a pobreza infantil em todo o país.

Exigir participação de mulheres em conferências é o novo grito pela igualdade

O BNP Paribas Portugal assumiu o compromisso de garantir 40% de mulheres no Comité Executivo do Banco e no G100 até 2025 e de não participar em conferências em cujos painéis não estejam mulheres. Acordo com movimento francês Jamais Sans Elles foi oficializado no dia 10 de novembro.
Comentários