Mais um oligarca russo morto. Presidente de petrolífera cai de janela

Ravil Maganov, de 67 anos caiu de uma janela nesta quinta-feira e não terá resistido aos ferimentos. Vários oligarcas russos morreram nos últimos meses.

Foto: Lukoil/Divulgação

Ravil Maganov, presidente da Lukoil, a segunda maior produtora de combustível russo, morreu esta quinta-feira, com 67 anos, depois de cair da janela de um hospital em Moscovo, disse à “Reuters” uma fonte próxima do assunto.

A morte de Maganov foi notícia em alguns meios de comunicação russos.

O homem juntou-se à empresa em 1993, pouco depois de esta arrancar. Chegou a supervisionar as tarefas de refinação, produção e exploração, até se tornar presidente, em 2020.

O seu irmão Nail lidera um produtor de petróleo russo de média dimensão, o Tatneft.

Maganov era próximo de Vagit Alakperov, um dos fundadores da Lukoil e que ocupou o cargo de vice-ministro para o petróleo na antiga União Soviética. Em abril, renunciou ao cargo de presidente da Lukoil, uma semana depois de as sanções impostas pelo Reino Unido, devido à guerra que opõe Rússia e Ucrânia, terem gerado o congelamento dos seus bens e o impedimento de viajar.

Recomendadas

Joe Biden declara emergência para a Florida por causa da tempestade Ian

A tempestade tropical Ian, que se prevê possa converter-se em furacão, avança este domingo pelas Caraíbas em direção às Ilhas Caimão, numa trajetória que deverá levá-la ao oeste de Cuba e ao sudeste do Golfo do México no início da semana.

Eleições em Itália: Salvini confiante de que a Liga será uma das forças parlamentares “no pódio”

Nestas eleições, nas quais o bloco de direita, liderado por Meloni, é o favorito, cerca de 50 milhões de pessoas terão de ir às urnas, com mais de quatro milhões de italianos no exterior.

São Tomé/Eleições: PM são-tomense espera eleições ordeiras e “com toda a transparência”

O chefe do executivo afirmou que “o processo na sua globalidade está a decorrer” conforme as expectativas “e fazendo jus à tradição democrática que se vive em São Tomé e Príncipe”, apesar de um protesto na localidade do Bairro do Hospital por falta de água potável na zona.
Comentários