Oito concelhos não avançam no desconfinamento. Odemira com cerca sanitária em duas freguesias (com áudio)

“Há concelhos, e a lista é extensa, que devem estar alerta: concelhos que têm uma taxa de incidência superior a 120 casos por 100 mil habitantes”, advertiu esta quinta-feira o primeiro-ministro, António Costa. Odemira e Portimão continuam na lista negra.

André Kosters / Lusa

O primeiro-ministro anunciou esta quinta-feira que a situação de calamidade se aplica a 270 dos 278 concelhos portugueses, incluindo dois dos que que tinham recuado nas medidas por causa do número de infeções – Rio Maior e Moura -, bem como Alandroal, Marinha Grande, Penela, Albufeira e Figueira da Foz, que tinham ficado retidos. Logo, Odemira e Portimão continuam na lista negra.

“Há concelhos, e a lista é extensa, que devem estar alerta: concelhos que têm uma taxa de incidência superior a 120 casos por 100 mil habitantes”, afirmou António Costa, no briefing da reunião do Conselho de Ministros que envolveu a aprovação dos diplomas da estratégia de combate à corrupção e do processo de desconfinamento.

Miranda do Douro, Paredes e Valongo ficam retidos na terceira e penúltima fase do desconfinamento, referiu ainda o líder do Governo. Há no entanto más notícias para Odemira: as freguesias de São Teotónio e Longueira/Almograve ficam de imediato em cerca sanitária.

“Por fim, gostaria um caso muito particular, o de Odemira. Como sabem, desde o início, tem tido sempre uma taxa de incidência muito superior. É um caso muito especial a vários níveis. Em primeiro lugar, é o maior concelho do território continental. Segundo, todos os inquéritos de saúde pública identificam que das diversas freguesias do concelho o foco concentra-se em duas e associado à população migrante que trabalha no sector agrícola”, explicou António Costa.

Há duas semanas, o Executivo decidiu que, perante a situação epidemiológica (municípios que não se encontravam na zona verde, ou seja, estavam acima do limiar de risco) quatro concelhos tinham de recuar para as regras em vigor antes – em que estavam apenas abertos cabeleireiros, postigos e livrarias – e sete mantinham-se com as restrições à altura em vigor, sem progressão no desconfinamento.

Em causa estavam os concelhos de Moura, Odemira, Portimão e Rio Maior Alandroal e Albufeira, Beja, Carregal do Sal, Figueira da Foz, Marinha Grande e Penela.

Desde o início da pandemia, Portugal contabiliza 836.033 casos confirmados de infeção por SARS-CoV-2, depois de registar mais 470 contágios entre ontem e hoje, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. Já o número de vítimas mortais do novo coronavírus no país aumentou para 16.974, após mais uma pessoa ter perdido a vida com esta doença.

O risco de transmissibilidade (Rt) do vírus situa-se em 1 tanto no continente como a nível nacional. Quanto à incidência, encontra-se abaixo dos 120 mil casos por 100 mil habitantes, indicando 69,3 casos de infeção no território nacional e 66,5 em Portugal continental.

Notícia atualizada às 20h34

Recomendadas

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Covid-19: Testes deixam de ser recomendados a pessoas sem sintomas e internados com visitas

Os testes à infeção com o coronavírus SARS-CoV-2 deixaram de ser recomendados a pessoas sem sintomas de infeção e doentes internados com covid-19 passam a poder receber visitas, avançou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Plataforma da A23 e A25 indignada com ausência da abolição de portagens no OE2023

Em comunicado, a plataforma salientou que “foi sem surpresa, mas com indignação”, que confirmou que “o Governo e o partido (PS) que o suporta na Assembleia da República aprovaram o Orçamento do Estado para 2023, sem nele incluírem a suspensão ou abolição das portagens nas Scut da Beira Interior (A23, A24 e A25)”.
Comentários