Oligarca russo avisa que Putin vai invadir território da NATO

Khodorkovsky pediu à NATO que continue a responder aos pedidos do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, sobre o abastecimento de armas e outro material militar para combater o exército russo.

Mikhail Khodorkovsky, um oligarca russo autoexilado e um dos críticos mais proeminentes do Kremlin, disse numa entrevista à “Euronews” que o presidente russo, Vladimir Putin, acabará por invadir território da NATO, caso a organização não ajude a Ucrânia a vencer o conflito atual.

Khodorkovsky pediu à NATO que continue a responder aos pedidos do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, sobre o abastecimento de armas e outro material militar para combater o exército russo.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, condenou Putin pela invasão e reiterou o apoio da organização à Ucrânia durante uma conversa na quarta-feira com o portal “Politico”. Stoltenberg afirmou que a NATO tem uma “obrigação política e moral de fornecer apoio substancial” ao país de Zelensky e garantiu que continuará a enviar armas à Ucrânia “durante o tempo que for necessário”.

Putin utilizou a possível expansão da NATO como uma razão para justificar a sua invasão da Ucrânia, embora a Finlândia e a Suécia se tenham candidatado para ingressar na aliança após o início da guerra.

O presidente russo alertou ainda a organização e os EUA para um possível envolvimento direto na guerra.

Recomendadas

Guterres reúne-se hoje com Zelensky e Erdogan na Ucrânia

O encontro vai servir para discutir a situação da central nuclear de Zaporizhzhia e para tentar encontrar uma solução política para o futuro da Ucrânia após a agressão russa.

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

Guterres encontra-se em Lviv com Zelensky e Erdoğan; Pelo menos 21 mortos em explosão na mesquita de Cabul; Agência Internacional de Energia vai liderar delegação na central nuclear de Zaporizhzhia

Alemanha tem gás para menos de três meses se Putin fechar a torneira

O cenário de fecho da torneira, em retaliação pela posição alemã contra a invasão russa da Ucrânia, é cada vez mais real nos corredores do poder em Berlim.
Comentários