OMS Europa quer melhor proteção das crianças, atualmente as mais afetadas (com áudio)

“A obrigatoriedade em relação à vacina é um último recurso absoluto e aplicável apenas quando todas as opções viáveis para melhorar as taxas de vacinação tiverem sido esgotadas”, disse o diretor da OMS para a Europa.

Organização Mundial de Saúde

A Organização Mundial da Saúde (OMS) Europa apelou hoje, perante a evolução da pandemia de covid-19, a uma melhor proteção das crianças dos 5 aos 14 anos, atualmente a faixa etária mais afetada.

Numa conferência de imprensa ‘online’, o diretor da OMS/Europa, Hans Kluge, considerou a vacinação obrigatória, decidida ou considerada por alguns países, como um remédio de “último recurso absoluto”.

“A obrigatoriedade em relação à vacina é um último recurso absoluto e aplicável apenas quando todas as opções viáveis para melhorar as taxas de vacinação tiverem sido esgotadas”, disse o diretor da OMS para a Europa.

Kluge fez um apelo para “estabilizar” a crise pandémica, defendendo a necessidade de promover a vacinação e aplicar medidas como o uso de máscaras, a ventilação de espaços fechados e a testagem, e manifestou-se “cauteloso” e “preocupado” com a variante Ómicron.

Recomendadas

Primeiro-ministro espanhol testou positivo à Covid-19

Sánchez não disse se estava a sentir-se doente ou se iria cancelar outros compromissos na próxima semana.

Portugal registou 18.315 mil casos e 37 mortes de Covid-19 na última semana

A Direção-Geral da Saúde contabilizou mais 2.049 infeções em comparação à semana anterior.

Covid-19: EMA preocupada com hesitação a vacinas e aponta Portugal como exemplo

A Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla inglesa) manifestou-se hoje “muito preocupada” com a elevada taxa de hesitação no reforço da vacina da covid-19 e deu o arranque da campanha em Portugal como bom exemplo.
Comentários